domingo, 6 de abril de 2014

Pimenta malagueta ornamental



.
GERTRUDES

JOÃO CRUZUÉ

Gertrudes é o nome que eu dei a  um belíssimo pé de pimenta malagueta que existe na sala onde trabalho, no Centro de São Paulo. Eu a comprei de um comerciante japonês , em frente ao grande  Mercado Municipal. De uns dois meses para cá, Gertrudes se tornou um dos assuntos preferidos de nossa Seção. Para começar, sua cor vermelha, não é um vermelho qualquer, mas um vermelho-ferrari. Também não é um pé de pimenta comum: Gertrudes é exagerada. Nós contamos 57 pimentas. 

Eu já contei isso, mas é muito hilário contar. Convidei minha antiga Diretora para conhecer a Gertrudes, mas ela pensou que fosse uma mulher. "Escuta, como é esta Gertrudes?" E eu respondi: Ela é ardente! Aí, o mal-entendido se estabeleceu de vez. "O que está acontecendo com o João? Foi só ele mudar de diretoria que já anda colocando as manguinhas de fora... A esposa dele já sabe que ele está  arrastando a asa para esta tal de Gertrudes? E lá fui eu carregando o pé de pimenta para a sala dela, para apresentar a  "ardente" Gertrudes. Ela não me disse nada. Não sei se estava brincando ou se pensou que a Gertrudes era gente.

Fotos de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Bom, como eu imaginei, as pimentas da Gertrudes iam murchar e secar. Então tratei de mitigar um eventual risco de perda. Tracei um plano e o coloque em prática. Colhi uma entre as 57 pimentas da Gertrudes, abri a pimenta e  plantei as sementes em dois vasinhos. Achei que nasceriam no máximo umas dez pimentinhas.  Levei um susto quando vieram  umas 40 pimentinhas.  Foi aí que descobri porque esta malagueta é tão ardida. Uma "dedo de moça" que tem poucas sementes já é bem ardia, o que dizer uma que tem 40 sementinhas dentro?

Quatro mudinhas, você pode ver nos dois vasos claros, acima. Eu comprei estes lindos vasos na Rua São Caetano! Se você pensou que alí só há vestidos de noivas, já pode ver que tem muito mais. Tem duas casas enormes de produtos agrícolas, veterinários, jardinagem, ferramentas, sementes, bulbos de flores, adubos, saquinhos de polietileno para fazer mudas...etc.

Depois de ter semeado dois vasos com sementes de uma pimenta da Gertrudes, eu as tive de levar para casa.  É que pimenta gosta de sol. Sol direto, seis horas por dia. No escritório só bate sol da manhã. Aí, as plantinhas tinham de virar o "pescoço" para  tomar sol. E nós, de virá-las ao contrário, para que elas se desentortassem. Na minha casa elas  pegam sol direto. Veja as duas fotos abaixo:

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Aqui, mais abaixo, está a Gertrudes sem suas 57 pimentas. Eu fiz a colheita no dia 02 de abril 2014. Se você observar com cuidado nas três fotos a seguir, vai identificar flores e botõezinhos de pimenta malagueta. Ou malaguetona, como me disseram  quando comprei. 

Como eu sou Contador, já fiz o cálculo do custo/benefício da coisa. A colheita de 57 pimentas foi uma estratégia acertada.  Entre botões e flores brancas, se tudo correr bem e o frio não interferir vem aí uma carga de mais de 100 pimentas de uma só vez. Se por acaso isto acontecer, e eu creio que vai, a Gertrudes vai ganhar o prêmio, a Rainha das Malaguetas! Sabe o que é um pé de pimento com um palmo e meio de altura com mais de 100 pimentas vermelho-ferrari? É exagerara ou não é?

                                                                                   Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Ontem, sexta-feira, 04.4.14, eu passei de novo na Rua São Caetano para comprar mais vasos e adubos. Também voltei no japonês que vende plantas na Rua Cantareira, em frente ao Mercado Municipal, e comprei 20 vasinhos, como estes abaixo, o mesmo vaso onde estava a Gertrudes quando a comprei.  Bem não precisa dizer que eu suei a camisa de verdade, quando cheguei na seção com quatro sacolas com 26 vasos, 26 pratinhos de vaso, 3 kg de superfosfato simples,  01 kg de adubo 04.14.08 e 05 kg de terra orgânica. À noite, tive que sair depois do horário do rush, para transportar tudo isto para minha casa.

Foto de João Cruzué

Eu  sou filho de agricultor. De vez em quando voltava ao sítio para não perder a prática, mas com o tempo fui gostando mais da cidade que do campo. Há mais de quatro anos trabalho no TCE de SP. Lidar com adubos, vasos e plantas é uma forma de manter algumas poucas raízes em minhas origens. Bem, na foto de cima estão os adubos que vou colocar no fundo dos vasos. E na foto de baixo, como faço isto. No vaso da esquerda, você vê um pouco de brita. No sentido horário, terra vermelha sobre a brita e os grãos de dos adubos que você vê acima. Superfosfato no saco de 3kg e adubo de cova, 04.14.08. O terceiro vaso já está totalmente cheio, com brita, terra vermelha, grãos de adubo, e a maior parte de terra orgânica. Em cima  e bem no meio
Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Aqui, abaixo, você já pode ver os vasos cheios de terra e adubados, prontas para receber as Gertrudinhas

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Na foto seguinte, você há pode ver o fruto de um trabalho que consumiu minha manhã inteira. São 21 vasos plantados com gertrudinhas. E estava em um dilema: ou abandonava as plantinhas ou tomava uma decisão mais radical. Tomei. Mas como você pode observar,  na foto abaixo, ainda tem um vaso cheio de mudas. Isto significa que na semana que vem vou ter que plantar outros 20 vasos.

                                                                                         Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Como eu estava com a mão na máquina mesmo, tirei fotos de outras plantas. Para não ficar só com as pimentas, tirei foto da minha violeta, dos lírios vermelhos que trouxe do sítio da minha mãe, de um pequeno pé de manga de Sorocaba, um pé de babosa.


Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Por último, uma foto do pé de manga com as gertrudinhas que ainda restam para plantar.

Foto de João Cruzué



Nota: todas as fotos foram tiradas por mim.

Nenhum comentário: