domingo, 26 de outubro de 2014

Dilma Rousseff ganha as Eleições Presidenciais de 2014



João Cruzué


A Band acabou de informar o resultado parcial da Eleição Presidencial divulgado pelo TSE

Com 94% das urnas, em números redondos: Dilma 51% e Aécio 49%.

Aécio perdeu em Minas:  em números redondos Dilma 52,4%, Aécio 47,6%

No Nordeste  Dilma ganhou disparado.´

Onde Aécio ganhou: Na região Sul, do Rio Grande do Sul até São Paulo e no DF.

Onde foi que Aécio errou: Na escolha do candidato a vice,  tinha de ser um nome de peso do Nordeste.





.



domingo, 21 de setembro de 2014

A UBE - União de Blogueiros Evangélicos faz sete anos




JOÃO CRUZUÉ

Quero agradecer a Deus pelos sete anos de bons serviços (30.8.2007 a 30.8.2014) que a União de Blogueiros Evangélicos tem prestado à comunidade evangélica  de língua portuguesa.  Foi a primeira comunidade a adotar uma política de popularização dos blogs. A ideia era que toda liderança evangélica, não importando a área de atuação deveria aprender a publicar conteúdo cristão a partir de um blog. Outras comunidades, que apostaram na elitização, não tiveram sorte.

Deus abençoe o presbítero Valmir Nascimento Milomem, a pessoa que Deus usou para levar adiante este trabalho. Naturalmente, ele não esteve sozinho nestes sete anos. Colaboradores fiéis continuam administrando a comunidade: Eliseu Gomes, Wilma Rejane, Sammis Reachers, Cíntia Kaneshigue, Wallace Sousa e Luis Ribeiro. No passado colaboraram também o Pr. Altair Germano, Lucas Santos, Pastora Márcia Alves  e João Cruzué.

Quero deixar um versículo especial da Bíblia para todos os integrantes da equipe da UBE:

Isaías 55;10-11
.
"Porque, assim com descem a chuva e a neve dos céus, e para lá não tornam, mas regam a terra e a fazem produzir, e brotar, e dar semente ao semeador, e pão ao que come, assim será a palavra que sair da minha boca, ela não voltará vazia; antes, fará o que me apraz e prosperará para que a enviei"





.








quinta-feira, 22 de maio de 2014

Lei da Palmada e os meninos do PT


Comentário do blogueiro

Antes de ler o texto do projeto de Lei assinado por três petistas, quero dizer algumas frases.  Eu fui uma pessoa que apanhei muito quando criança da minha mãe. Meu pai só me bateu uma vez.  Não gostei. acho que não precisava tanto. Eu suportei, porque eu sabia que ela me amava.

O Brasil está cheio de corruptos em tudo o que é lugar e bandidos idem, por causa da impunidade. E pelo jeito, com este projeto, estão querendo montar uma fábrica de indivíduos que não conhecem nenhum limite moral. Isto é anti-bíblico e anti-cristão. Se o estado é laico, a recíproca deve ser verdadeira: que não venha tutelar a família.

Não aprovo que os pais arrebentem as costas dos filhos com cintos de couro ou coisas parecidas. Entendo que isto seja uma ação cruel, que em lugar de educar, vai revoltar. Mas pelo que vejo, três marmanjos petistas, com pretensões políticas estão querendo transformar em crime  dar umas chineladas no bumbum de um filho.

Então eu pergunto, não pode né? E se um moleque de o8 anos juntar chegar em casa com uma coisa roubada. O pai chega e aconselha: Filho, não pode fazer assim, você tem de trabalhar para poder ter. Passa uma semana, a mãe chega para o pai e diz, Fulano, nosso filho apareceu em casa com uma coisa que não comprou.

Eu respondo, se esse pai não exercitar a vara bíblica (sem crueldade) e mostrar firmeza para este moleque, eu vou chegar a seguinte conclusão: A criminalidade no Brasil vai decuplicar.

Acho que o ESTADO brasileiro está querendo tutelar a família brasileira. Nós não temos saúde, educação para pobres, segurança, transporte público, integridade na política... e agora vem amigos de mensaleiros querer ensinar os pais e as mães como se deve educar um filho? É muita pretensão. O dia que estes senhores e senhoras amigos e companheiros dos partidos que estão no poder puserem ordem na casa deles e nos órgãos públicos que dirigem, aí sim, terão moral para chegar até uma mãe e dizer para ela que pode parar de chinelar a poupança de seus filhos rebeldes.

Quanto a nós evangélicos, se este projeto passar, teremos duas coisas a fazer: a) continuar educando nossos filhos pelo padrão bíblico, ou  arrancar algumas páginas de nossas Bíblica para fazer vista grossa. (João Batista Cruzué, editor do Blog Olhar Cristão)

PROVÉRBIOS
23:13 e 14 - Não retires a disciplina da criança; pois se a fustigares com a vara,  nem por isso morrerá.  Tu a fustigarás com a vara, e livrarás a sua alma do inferno.


13: 24 - O que não faz uso da vara odeia seu filho, mas o que o ama, desde cedo o castiga. 

13: 24 - Castiga o teu filho enquanto há esperança, mas não deixes que o teu ânimo se exalte até o matar. 


22:15 - A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da correção a afugentará dela. 

29:15 - A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe. 



PROJETO DE LEI

Altera a Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990, 
que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do 
Adolescente,  para estabelecer o direito da 
criança e do adolescente de serem educados 
e cuidados  sem o uso de castigos corporais 
ou de tratamento cruel ou degradante.

Assinado por: 
Paulo de Tarso Vannuchi, PT [1]
Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto, PT [2]
Marcia Helena Carvalho Lopes, PT [PT]

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Art. 1o

 A Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990, passa a vigorar acrescida dos seguintes artigos:

“Art. 17-A. A criança e o adolescente têm o direito de serem educados e cuidados pelos pais, pelos integrantes da família ampliada, pelos responsáveis ou por qualquer pessoa encarregada de cuidar, tratar, educar ou vigiar, sem o uso de castigo corporal ou detratamento cruel ou degradante, como formas de correção, disciplina, educação, ou qualquer outro pretexto.

Parágrafo único. Para os efeitos desta Lei, considera-se:

I - castigo corporal: ação de natureza disciplinar ou punitiva com o uso da força física que resulte em dor ou lesão à criança ou adolescente.

II - tratamento cruel ou degradante: conduta que humilhe, ameace gravemente ou ridicularize a criança ou o adolescente.

Art. 17-B. Os pais, integrantes da família ampliada, responsáveis ou qualquer outra pessoa encarregada de cuidar, tratar, educar ou vigiar crianças e adolescentes que utilizarem castigo corporal ou tratamento cruel ou degradante como formas de correção, disciplina, educação, ou a qualquer outro pretexto estarão sujeitos às medidas previstas no art. 129, incisos I, III, IV, VI e VII, desta Lei, sem prejuízo de outras sanções cabíveis.” (NR)

“Art. 70-A. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios atuarão de forma articulada na elaboração de políticas públicas e execução de ações destinadas a coibir o uso de castigo corporal ou de tratamento cruel ou degradante, tendo como principais ações:

I - a promoção e a realização de campanhas educativas e a divulgação desta Lei e dos instrumentos de proteção aos direitos humanos;

II - a inclusão nos currículos escolares, em todos os níveis de ensino, de conteúdos relativos aos direitos humanos e prevenção de todas as formas de violência contra a criança e o adolescente;

III - a integração com os órgãos do Poder Judiciário, do Ministério Público, da Defensoria Pública, do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente nos Estados, Distrito2 Federal e nos Municípios, Conselhos de Direitos da Criança e do Adolescente, e entidades não governamentais;

IV - a formação continuada dos profissionais que atuem na promoção dos direitos de crianças e adolescentes; e

V - o apoio e incentivo às práticas de resolução pacífica de conflitos que envolvam violência contra criança e adolescente.” (NR)
-------------------------------------------------

Art. 2o

 O art. 130 da Lei no 8.069, de 1990, passa a vigorar acrescido do seguinte parágrafo:

“Parágrafo único. A medida cautelar prevista no caput poderá ser aplicada ainda no caso de descumprimento reiterado das medidas impostas nos termos do art. 17-B.” (NR)

Art. 3o

 Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília,3
---------------------------------------

EMI nº 00022 SDH/PR

Brasília, 01º de julho de 2010

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

1. Temos a honra de submeter à apreciação de Vossa Excelência o anexo Projeto de Lei que altera o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990) para estabelecer o direito da criança e do adolescente de ser educado e cuidado sem o uso de castigos corporais ou tratamento cruel ou degradante. Trata-se de proposição que proíbe uma das mais graves, banalizadas e invisíveis violações da infância e adolescência no país: o castigo físico, o tratamento cruel ou degradante.

2. As crianças e adolescentes têm o direito de serem educados e cuidados sem o uso de qualquer forma de violência e, nesse quadro, confirma-se o dever do Estado na garantia desse direito, desenhando e executando políticas e alinhavando arranjos legais que instalem e desenvolvam sistemas de proteção em todos os níveis de governo. O Comitê dos Direitos da Criança da Organização das Nações Unidas enfatiza, neste contexto, que a eliminação do castigo violento e humilhante de crianças, por meio da reforma legislativa e outras medidas necessárias, é uma obrigação imediata e integral dos Estados Partes.

3. O direito das crianças e adolescentes de viverem livres de violência e discriminação é, portanto, um desafio central e um compromisso ético e, por conseguinte, a elaboração de marcos legais que protegem direitos fundamentais - particularmente aqueles que visam à eliminação da violência contra as crianças e adolescentes - são prementes. Enquanto o aparato normativo vem avançando no sentido de coibir a violência praticada contra adultos, nas mais diversas formas, ainda convivemos com um quadro em que a
criança e o adolescente são menosprezados, humilhados, desacreditados, ameaçados, assustados ou ridicularizados. A violência contra crianças e adolescentes tem sido, portanto, admitida, a pretexto de se constituir enquanto recurso pedagógico e educativo.

4. Desta forma, no contexto de implementação de ações de promoção dos direitos de crianças e adolescentes visando ao seu desenvolvimento integral, o texto do Programa Nacional dos Direitos Humanos III, tornado público e aprovado por Vossa Excelência, firmou objetivo estratégico na perspectiva da proteção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes, particularmente aquelas com maior vulnerabilidade:

Diretriz 8: Promoção dos direitos de crianças e adolescentes para o seu desenvolvimento integral, de forma não discriminatória, assegurando seu direito de opinião e participação. 

Objetivo estratégico III: Proteger e defender os direitos de crianças e adolescentes com maior vulnerabilidade 

4 Ação Programática c) Propor marco legal para a abolição das práticas de castigos físicos e
corporais contra crianças e adolescentes.

(Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3)/Secretaria Especial dos Direitos Humanos da
Presidência da República- Brasília:SEDH/PR, 2010, pg. 78).

5. O reconhecimento e a incorporação de marcos normativos direcionados à eliminação da violência contra crianças e adolescente representa ponto de preocupação e é, há alguns anos, objeto de pronunciamentos e de orientações de instâncias como a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos e a Organização das Nações Unidas, por meio do Comitê dos Direitos da Criança, como aludido anteriormente. Assim, vem se consubstanciando um profundo questionamento à prática do castigo corporal como método de disciplina de crianças e adolescentes e, desta forma, construindo-se uma demanda internacional para que os Estados atuem de forma imediata frente ao problema do uso do castigo corporal mediante sua proibição legal explícita e absoluta. A ameaça ao perpetrador de ações disciplinares exageradas, seja o pai, o responsável ou profissional de instituição e, ainda, sanções administrativas e corretivas pertinentes, devem também agir como intimidações claras a tais práticas de violência.

6. Para além do olhar centrado na observância e aperfeiçoamento do aparato jurídico, incluímos como premissa de apresentação da proposição, portanto, a compatibilização do marco legal em vigor ao sistema internacional e nacional de proteção dos Direitos Humanos de crianças e adolescente e, de forma complementar, sinalizamos para a adoção, em primeiro plano, de medidas preventivas, educativas e de outra natureza que possam ser assimiladas para assegurar a eliminação de tais formas de violência. Contudo, a condição peculiar de crianças e adolescentes e a especificidade das relações intra-familiares demandam que a decisão de submeter sanções aos pais, ou de interferir formalmente na família de outras maneiras, seja tomada com muito cuidado, premissa que é preservada no âmbito do Projeto de Lei ora proposto.

7. O Estatuto da Criança e do Adolescente, bem como a Constituição Federal, demarcam, de forma já relevante, respectivamente nos artigos 5º e 227º, que: "nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais" e que "é dever da família, da
sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão"

8. Conquanto, as diretrizes nacionais e internacionais apontam para a necessidade de aprofundamento e explicitação da preocupação com tais formas de violência e, portanto, exigem que o castigo corporal e o tratamento cruel e degradante sejam proibidos de maneira explícita. Ao mesmo tempo, os movimentos sociais vêm propondo a ampliação do debate e a adoção do marco legal, nos mesmos termos.

9. A Secretaria de Direitos Humanos, por sua vez, desde 2007, integra a Rede Não Bata, Eduque, pautando o tema da erradicação dos castigos físicos e humilhantes em sua agenda institucional. Assim, vem contribuindo, portanto, para o fortalecimento de ações educativas e de uma campanha com este tema, além do apoio a experiências inovadoras de erradicação dos castigos físicos e humilhantes. Do mesmo modo, em 2009, a Secretaria de Direitos Humanos apoiou a realização do Simpósio Nacional sobre Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes, promovido pela Rede no Rio de Janeiro, e que reuniu especialistas e autoridades nacionais e internacionais engajadas na construção de alternativas institucionais e de marcos legais que favoreçam o enfrentamento desta violação dos direitos de crianças e adolescentes.

10. Em algumas das atividades e ações articuladas por meio da Rede Não Bata, Eduque, Vossa Excelência, bem como Primeira Dama da República, Dona Marisa Letícia Lula da Silva, estiveram presentes prestando apoio institucional a uma proposta mais estruturada para o enfrentamento dos castigos físicos e humilhantes no País, que a coloque como tema prioritário na sociedade brasileira.

11. Assim, a proposta apresentada se coaduna ao esforço histórico recente que envolve a mobilização de atores políticos e a implementação de políticas públicas, ambos processos assentados nos marcos do Estatuto da Criança e do Adolescente, no paradigma da proteção integral e na assunção de crianças e adolescentes como sujeitos de direitos e pessoas em condição peculiar de desenvolvimento.

12. O Projeto de Lei objetiva aprofundar o direito que todas as crianças e adolescentes possuem de ser educados e cuidados sem o uso dos castigos físicos e do tratamento cruel e degradante como formas de correção, disciplina e educação ou sob qualquer outro pretexto.

13. A proposição caracteriza os castigos corporais, bem como os tratamentos cruéis e degradantes que passam a figurar no rol de violações passíveis de enquadramento segundo as determinações do Estatuto da Criança e do Adolescente. Há que se ressaltar que a instauração de processos contra pais é na maior parte dos casos contrária ao interesse da criança e do adolescente e, portanto, o processo e outras intervenções formais (por exemplo, remover o agente violador) só serão considerados quando necessários para plena proteção da criança e do adolescente de situações extremas ou quando correspondam ao superior interesse dos mesmos.

14. Contudo, tendo como premissa que nada pode justificar o uso de formas de disciplina que sejam violentas, cruéis ou degradantes na educação de crianças e adolescentes, o projeto possui uma dimensão pedagógica e educativa que permitirá, de plano, estimular e ampliar o debate em torno de tais formas de violações, desaconselhar sua adoção por quaisquer responsáveis e, extensivamente, fomentar alternativas sadias e emancipatórias de educação e relacionamento com nossas crianças e adolescentes, afirmando em particular o direito à convivência familiar e comunitária. A sanção ou punição, ressalvado o devido processo legal, deve ser vista como medida excepcional e de última natureza.

15. Obviamente, também se deve enfatizar mais uma vez o contido na Convenção, bem como no Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária que estabelecem que qualquer separação entre pais e crianças deve ser considerada necessária à realização do interesse maior da criança e submetida ao devido processo legal, com todas as partes interessadas, inclusive a criança e o adolescente representados. Quando o afastamento for necessário, devem ser consideradas alternativas ao afastamento da criança em relação à sua família, inclusive a remoção do agente violador, suspensão da sentença ou medidas assemelhadas.

16. A proposição materializa, por fim, o crescente compromisso de sociedades contemporâneas que reconhecem que crianças e adolescentes tem direitos frente ao Estado e cabe a ele organizar ações para sua plena realização. A proposição, inegavelmente, aborda a realização de direitos que são inerentes a crianças e adolescentes e indispensáveis a sua dignidade e pleno desenvolvimento. É importante no contexto de uma ampla aceitação tradicional do castigo físico e, portanto, consideramos que a proibição, em si, não garantirá mudança das atitudes e práticas, mas, a ampla conscientização do direito das crianças à proteção e de leis que reflitam esse direito é necessária. Nesse sentido, é premente estimular que os pais parem de infligir castigos violentos, cruéis ou degradantes, adotando intervenções apoiadoras e educativas, não punitivas.

17. Sabemos, no entanto, que uma coisa é proclamar os direitos, outra é, efetivamente, gozá-los. Neste momento, envidamos esforços no sentido de dar materialidade a reivindicações dos movimentos e aperfeiçoar mecanismos legais que já se constituem em conquista histórica e institucional para o desenvolvimento e sustentabilidade de políticas de públicas para a infância e a adolescência, garantindo todos os direitos das crianças e adolescentes e protegendo-os de qualquer forma de sofrimento e limitação a seu pleno desenvolvimento.

18. São essas, Senhor Presidente, as razões pelas quais submetemos o anexo

Projeto de Lei à elevada apreciação de Vossa Excelência.

--------------------------------------------------





domingo, 4 de maio de 2014

Vahid Hakkani, a perseguição religiosa no Irã contra os Cristãos



DIVULGUE!
data da notícia: 02 de maio de 2014

VAHID HAKKANI

Mohabat - Iranian Christian News Agency

TRADUÇÃO: JOÃO CRUZUÉ

SEGUE, há mais de um mês em greve de fome,  o prisioneiro cristão VAHID HAKKANI,  em protesto contra a decisão da Corte Iraniana no seu caso por  associação com prisioneiros cristãos. De acordo com a agência de notícias Mohabat News, faz mais de 35 dias que ele parou de se alimentar.

Fontes conhecidas relataram que após o início da greve, as autoridades da prisão o colocaram em confinamento na solitária para fazê-lo mudar de ideia. Apesar de agora  estar de volta à cela da prisão, ele não quebrou a greve de fome.

Como parte do que as autoridades da prisão chamam de punição disciplinar, o irmão Kakkani foi castigado com a proibição de receber visitas da sua família.

Há muita preocupação  também a respeito da saúde do irmão Hakkani. Com um histórico de problemas digestivos, a duração da greve de fome está maltratando severamente sua saúde. Seu médico suspeita que ele já esteja com câncer no estômago.

Recentemente o irmão Hakkani foi transferido para um clínica médica prisional, porque suas condições de saúde pioraram.

A greve de fome do irmão Hakkani é um protesto contra as normas da Corte sobre seu caso de associação com prisioneiros cristãos.

Tempos atrás, depois de pagar pelo correio a fiança, a família do irmão Hakkani recebeu a permissão para  transferi-lo para o Hospital Faghihi em Shiraz, para realizar uma cirurgia no sistema digestivo.


Os outros três presos cristãos  que estão na mesma prisão de Ebrat  na ala da Prisão de Adel-Abad com o irmão Hakkani são Homayoun Shokouhi, Mojtaba Seyyed Alaedin Hossein, e Mohammad-Reza Partoei (Kourosh).

Uma greve de fome é o último recurso para os prisioneiros de consciência iranianos para que suas vozes sejam ouvida


Outro prisioneiro cristão que também tem uma saúde frágil é o Pastor irano-americano Saeed Abedini. Ele foi transferido para um hospital privado em fevereiro. Pastor Abedini foi sentenciado a oito anos de prisão por plantar igrejas nos lares e causar distúrbio de segurança nacional. Semelhante ao irmão Vahid Hakkani, Pastor Abedini permaneceu em greve de fome até ser transferido para um hospital fora da prisão, como resultado de esforços diplomáticos e pressões de organizações humanitárias de direitos humanos.

Comentário do blogueiro: Divulguem. Em inglês há muitas divulgações deste caso. Muito pouco em português. Nosso silêncio é tudo que as autoridades iranianas querem, para calar a boca de um por um daqueles que entregaram suas vidas ao Senhor Cristo no Irã.






segunda-feira, 14 de abril de 2014

Técnico evangélico conquista campeonato paulista 2014

Doriva 

JOÃO CRUZUÉ

Não sou apreciador de futebol por causa da violência e da corrupção. Mas aprecio alguma coisa boa que de vez em quando acontece por lá. Hoje, foi um destes dias em que vi e gostei do que vi. Um moço humilde sendo honrado pela grande conquista que vez. A vitória de um time pequeno sobre o Santos de Pelé e Neymar.

Vi no Fantástico uma parte entrevista com o técnico Doriva, depois da conquista do Campeonato Paulista. Ele estava honrando e glorificando o nome do Senhor Jesus, agradecendo  pela espetacular vitória e dando testemunho público de sua fé.

Segundo o Globo Esporte, Doriva é evangélico e não fala palavrões. Nem  durante o jogo nem nas entrevistas. Isto é uma exceção neste meio cuja boca dos técnicos não fala três palavras sem um palavrão no meio.

Não consegui achar em minhas pesquisas o testemunho da conversão de Doriva, provavelmente, deve ter sido por causa de sua luta contra uma doença do coração.



No final do jogo, os jogadores viraram um balde de bebida isotônica sobre a cabeça do técnico. Na camisa deles pode ser visto muitas frases de exaltação ao Senhor. É controverso? É! Mais o que importa é que o nome do Senhor seja glorificado. E um dia, todo joelho se dobrará e honrará o nome do Senhor.

Doriva, um técnico crente, campeão paulista de 2014 à frente do Ituano.







sábado, 12 de abril de 2014

O discurso de Páscoa do Papa Francisco

.
Papa Francisco
João Cruzué
.
Uma coisa devo admitir: quem cuida da assessoria de imprensa do Vaticano é um profissional muito competente. Tenho visto o resultado disso desde a visita do Cardeal Jorge Mario Bergoglio na Jornada Mundial da Juventude. Na verdade, antes, quando desde a fumaça branca o foco da imprensa foi conduzido para a "simplicidade" do novo Papa. Não creio que este atributo seja tão forte quanto a capacidade de Bergoglio tem de ser  pragmático. 

A maior vulnerabilidade da Igreja Católica no começo do Terceiro Milênio tem sido os padres pedófilos. Não poucos, como disse o Papa, que depois corrigiu para muitos. Milhares. Fato, infelizmente, comum, principalmente no Brasil. Aqui a consciência do povo não é tão sensível quanto na Europa e nos Estados Unidos. Lá o bicho pega. 

Quando Francisco veio à imprensa nesta véspera de Domingo de Ramos para pedir perdão em nome da Igreja Católica pela dor que os vigários pedófilos causaram, ainda que o fizesse comovido e perturbado, não surtiu efeito do outro lado. 

E não surtiu porque as famílias dos agredidos e abusados disseram que não serão apenas com "palavras" que a Igreja Católica vai apagar um silêncio de mais de 50 anos de abusos. Além das palavras, cobraram justiça. Levar a processo cada crápula que segurou um criança nos braços não como um  gesto de amor, mas para tomar dela sua pureza e sua honra.

O testemunho e atitudes do Papa Francisco têm feito bem à imagem da Igreja Católica. Mas como este gesto do pedido de perdão aconteceu à frente de uma câmera e um microfone, sentado confortavelmente em um trono, para mim isso só têm um nome: PRAGMATISMO. O foco concentrado na solução imediata da péssima imagem da Igreja Católica, herdada de um passado onde os antecessores jogaram a pedofilia debaixo do tapete e fizeram silêncio contra a dor daqueles que não conseguiram esquecer os abusos que sofreram.

Se Francisco fosse mesmo autêntico, e não um produto artificial para consumo midiático, teria feito diferente. Ido até uma das famílias com crianças abusadas por sacerdotes católicos, para pedir perdão de joelhos. SEM IMPRENSA, SEM FOTO, SEM MICROFONE E FORA DA PÁSCOA. 

Como evangélico que sou, não estou fazendo a Igreja Católica de vidraça. Há pastores e crentes vagabundos que abusam de crianças da Igreja Evangélica. Mas eles são poucos. Não são aos milhares, nem as dezenas de milhares como na Igreja Romana. A pedofilia não é um pecado recorrente na Igreja Protestante, porque os pastores são homens que se casam. E casam-se porque Pedro era casado.

Para mim, o pedido de perdão do Pontífice católico foi planejado por sua consultoria de imprensa. Ficou técnico demais. Tão "verdadeiro" quanto uma nota de 30 dinheiros.





.












sexta-feira, 11 de abril de 2014

Entrevista do Pastor Guedes


POR JOÃO CRUZUÉ


Entrevista gentilmente concedida pelo Pastor Francisco Guedes Maia, o PASTOR GUEDES à Associação de Blogueiros Cristãos. O Blog do Pastor Guedes é seguido por muitos leitores e também por gente que  publica conteúdo cristão na Internet. Os assuntos comentados, ali,  são sempre atuais, interessantes, inteligentes e tratados com extremo bom senso. Os assuntos são variados e as opiniões do Pastor Gudes  são claras.  Quero agradecer publicamente o tempo que o Pastor Guedes tirou de suas atividades mais importantes, para responder a a tantas perguntas. Creio que é muito importante a publicação desta entrevista, porque é desta forma que conhecemos o pensamento dos melhores Blogueiros Cristãos para  aprendermos com eles. (João Cruzué)

Quem é o Pastor Guedes?  Esta é a pergunta que muitos leitores do seu Blog gostariam de fazer.

PASTOR GUEDES: Sou cearense com muito orgulho, nascido em berço católico, na cidade de Jaguaribe. Tive um encontro com o Senhor Jesus  aos dezoito anos. Sempre trabalhei. Desde os meus nove anos de idade. Entre muitos empregos, fui bancário onde cheguei até a gerência. Ultimamente, trabalho em um site evangélico (assembleia.org.br) cujo responsável é o honrado e respeitado Pastor Flauzilino Araújo dos Santos. Sou Bacharel em Teologia pela Faculdade Metodista de São Paulo. 

Gosto de ficar com minha família e com minha igreja, a Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério de Messejana. Na vida religiosa, descobri o chamado de Deus, logo no início, aos dezenove anos quando entendi que Deus já me chamava para o Ministério da Palavra.

Dirijo a Igreja que Deus colocou sob minha responsabilidade. Minha esposa e filhos me acompanham todos os dias, em todos os cultos. O maior, Daniel, auxilia na sonoplastia na hora dos cultos e tem sido um braço amigo nas horas difíceis. Minha esposa cuida do louvor e do Departamento Feminino. A Sarinha, bem, a Sarinha tem apenas cinco anos. Ela me auxilia a organizar as cadeiras antes do culto começar.  Rsrsrs.

Qual é a preocupação do Pastor Guedes quanto a sua família no ambiente religioso de hoje?

PG: Minha preocupação tem sido com as novas igrejas que não dizem “não” para nada. Quero uma Igreja que também diga não e não um “sim” para tudo. Nosso tempo é marcado pela escassez e estiagem espiritual como a muito não se vê, por isso temos que nos precaver quanto ás futuras gerações.

O que pensa o Pastor Guedes sobre o momento que a Igreja Evangélica está passando, em  pleno 2014?

PG: Ambíguo. Por um lado cresce assustadoramente. Por outro, diminui acentuadamente em qualidade e genuinidade.

Muitos líderes assumem um papel importante à frente de suas igrejas, levando a verdadeira mensagem do evangelho aos quatro cantos da terra. Outros, porém, envergonham a nação evangélica com novas teologias e inovações litúrgicas que visam somente aumentar o público e os lucros.  A famigerada visão mercantilista e mercadológica nas igrejas têm diminuído o efeito do Evangelho na vida dos seguidores.  

O sucesso de alguns líderes serve de paradigma de aceitação de que tudo o que eles fazem é correto? Podem ser seguidos apenas porque estão fazendo sucesso?

PG: De maneira nenhuma. Esse pragmatismo e utilitarismo que temos visto em muitas Igrejas, ditas evangélicas, não servem de modelo algum para as Igrejas cristãs genuínas. O modelo ainda é o da igreja primitiva, o modelo de Cristo e dos apóstolos. Toda igreja e todo líder de sucesso que faltar as características do modelo bíblico e não repousar sobre esses parâmetros, estarão reprovados diante de Deus. Aprovados, quiçá, pelos homens, porém, réprobos quanto ao Senhor.

O que o Pastor Guedes pensa sobre a Teologia da Prosperidade? Ela atrai muito gente porque é humanista ou porque é cristocêntrica?

PG: A Teologia da Prosperidade atrai pessoas que são carentes de sucesso em sua vida financeira e material. Não digo que não tenha nenhum valor. Creio que muitos adeptos, leia-se pregadores e líderes dessa onda teológica (que um dia vai passar), são sinceros em seus posicionamentos e acreditam no que ensinam. Outros, não. Ensinam o que não creem e veem a TP. como uma forma de lucrar com a fé alheia. É, portanto, humanista, contudo, existem outras formas de humanismo muito mais letais à fé cristão que a teologia da prosperidade. Definitivamente Cristo não é o centro, posto que suas mensagens sobre Cristo, Cruz, Expiação, Salvação e Segunda Vinda de Jesus, são escassas. Além do mais, deturpam o ensinamento da sã doutrina.

O que o Pastor Guedes pensa do recente escândalo da Igreja Assembleia de Deus da Coreia do Sul, do famoso Pastor Cho? Por que ele deixou que sua família usasse as finanças da Igreja como se fosse as finanças pessoais?

PG: Uma lástima. Um escândalo sem nome. Serve de exemplo para os grandes líderes, megalomaníacos e detentores de grandes ministérios em seus próprios nomes. Quanto à família do pastor usar as finanças da Igreja, vê-se um grande mal em nosso meio que é o nepotismo generalizado. Os pastores, por falta de confiança em outrem, e por desejarem controlar todas as áreas da Igreja, principalmente, aquelas que envolvem poder e finanças, nomeiam familiares com a finalidade de não perder o controle.

Os problemas da Coreia foram expostos porque a Igreja tinha um conselho de governança (presbitério) A Igreja Brasileira tem órgãos de controle para evitar que seus líderes não sejam DONOS dela?

PG: As igrejas, no caso da denominação a que pertenço, têm as Convenções gerais, estaduais e locais. As diretorias são constituídas de forma que esse problema não ocorra, tendo, inclusive, um Conselho Fiscal. O problema está na conivência e conveniência de alguns que eleitos, nomeados ou designados. Eles se deixam levar e fazem vistas grossas, reconhecendo uma liderança que, por vezes, moralmente, já está reprovada por Deus.

É bom para o governo de uma Igreja que ela tenha um órgão ao qual o Pastor Presidente deva prestar contas?

PG: Sim. Sem dúvida que é.  Mas o que vemos são desmandos e nenhum líder prestando conta a Conselhos de Pastores,  Conselho de Ética ou mesmo ao Conselho Fiscal.

O Pastor Guedes entende que a falta deste controle não pode ser a causa do estouro dos grandes escândalos? 

PG: Claro que sim. Vejamos o caso do Pr. Cho. Ele só foi descoberto por conta de uma denúncia de um diácono. Isso significa dizer que esse caso já vinha se arrastando nos bastidores da igreja, tendo notoriedade somente quando veio a se tornar público.

Evangelização. Qual é a opinião do Pastor Guedes: As grandes denominações brasileiras têm como prioridade 
(a) Um projeto de Evangelização? 
(b) Um projeto político, 
(c) Um projeto de manutenção do poder?

PG: Definitivamente não têm um projeto de evangelização, sobrando, assim, as outras opções: projeto político e manutenção no poder. Vejo pastores correndo atrás de políticos e  palanques para se associarem ao poder. Outros, por sua vez, querem eleger alguém de sua igreja a todo custo,  para não ficarem for da esfera do poder político. 

Não sou apolítico, mas só vale a pena fazer política se for de boa qualidade, pensando no povo, na sociedade, debatendo as questões sociais com transparência. Nossas experiências com os políticos evangélicos têm sido em sua maioria desastrosas.

Todo tipo de evangelização é válida se visar a salvação das almas e sua discipulação, seguindo os padrões encontrados nas Escrituras. Admito outras formas não bíblicas, todavia, sou contra toda forma anti-bíblica, que, aliás, têm crescido nos arraiais evangélicos. 

A visita de casa em casa, de porta em porta, hospitais, prisões, etc. Distribuição de folhetos, cruzadas, redes sociais, entre outros. As redes sociais são, hoje, o melhor meio de evangelizar o mundo. Contudo, os cristãos ainda não aperceberam disso e se demoram perdendo tempo com tolices e coisas sem valor moral e espiritual. 

Acredito na evangelização de massa, seja por blog, TV,  rádio, mas não excluo, a divulgação na vizinhança: a eficiente boca a boca.

A mulher na Igreja Evangélica. A Bíblia proíbe o ministério feminino?

PG: A Bíblia não proíbe, mas também não confere. Ninguém pode negar o valor do trabalho das mulheres na Igreja desde sempre e o quanto elas são mais esforçadas que os homens para realizar a Obra. Haja vista, o esforço e a determinação das “Marias” no dia da ressurreição, para ficar somente nesse texto. Também na História da Igreja, no livro de Atos dos Apóstolos, vemos as mulheres agindo de forma muito positiva e operosa.

A mulher no contexto bíblico era entendida como um reflexo do que as culturas da época? Cultura grega, romana, judaica, egípcia?

PG: Não resta dúvida que a mulher é tratada na Bíblia sagrada dentro de um contexto judaico, portanto, patriarcal.  As demais culturas,  Romana, a Grega e Egípcia, tratavam a mulher de forma mais distinta. Ao ler o Evangelho de Lucas, por exemplo, vemos na narrativa lucana, a preocupação de explicitar a valorização da mulher no ministério do Senhor Jesus.

O que o Pastor Guedes pensa de um Ministério Feminino?

PG: O ministério feminino tão contestado por muitos, é uma realidade que não se pode negar. Como já disse, as mulheres realizam mais que os homens, todavia, não vejo nas Escrituras, nenhuma passagem, seja no Antigo, seja no Novo Testamento, que promova o Ministério Pastoral às mulheres. Respeito, porém, as Igrejas que pensam o contrário e que  já abriram as portas, aderindo a esse conceito. E se alguém me apresenta uma pastora, a cumprimento como tal. Não tenho problemas de relacionamento com Igrejas dirigidas ou presididas por mulheres.

Publicação de Conteúdo Cristão. A partir de quando começou a se interessar por publicação de textos na Internet?

PG: Um amigo com quem discutia e fazia abordagem sobre assuntos bíblicos, sugeriu que eu escrevesse o que penso e publicasse. No momento achei tolice, mas depois comecei a escrever alguns textos. Decidi criar um blog para homenagear minha filha, hoje com cinco anos, e aí nasceu o  blog do Pastor Guedes.

Como e onde aprendeu a publicar um Blog?

PG: Os blogs são fáceis de manipular. Acredito que sejam necessárias técnicas para aperfeiçoamento da escrita e como postar, principalmente, as imagens. Aprendi com a máquina mesmo, mas ainda não sei tudo e preciso do curso do Irmão Cruzue para aperfeiçoar o meu espaço.

Quais os autores de blogs que mais aprecia?

PG: Fui admirador de muita gente que hoje me causa desencanto. Gosto do Púlpito Cristão, do Teologia Pentecostal (Gutierrez), Olhar CristaoOlhar Cristão, do Alberto Couto, entre outros. Gosto também do  Teologia da Graça, do Esdras Bento, da Micheline Gome. Seguia outros, mas comecei a perceber algumas incongruências e excesso de ironia ou humor sem ética ou qualidade, então deixei de segui-los.

Tem muitos amigos que também publicam conteúdo na Internet?

PG: Sim, muitos. Mas, estou meio distante deles agora.

O que o Pastor Guedes pensa de um encontro anual de publicadores de conteúdo cristão, para fortalecer a participação dos crentes na escrita, publicação de livros e formação de opinião?

PG: É perfeitamente possível, se os editores se despirem de suas vaidades, pois vejo, infelizmente, que muitos ainda escrevem para combater o texto de outros e assim tecem uma rede rasgada que precisa de conserto. Um projeto para dez anos é possível e viável se começarmos hoje.

Por natureza e pesquisa, um blogueiro evangélico geralmente é uma pessoa com tendência de ação isolada e individualista. O que pode ser feito para tornar um universo individualista em uma comunidade com objetivos comuns?

PG: É preciso trazer à tona uma consciência de unidade para traçar um objetivo comum. Promover blogs que falem a mesma língua e estejam dispostos a discutir e abordar os acontecimentos contemporâneos visando um bem comum, um fim comum, um ideal comum.

O Pastor Guedes está disposto a aceitar o desafio de trabalhar no sentido de tornar estas comunidades  virtuais de blogueiros isolados em uma comunidade social e coesa?

PG: Claro. Vamos dar as mãos. Contem comigo no que diz respeito à colaboração desse projeto.

O que o Pastor Guedes tem a dizer para seus leitores e aos colegas de Blogs?

PG: Quero agradecer a oportunidade de dizer quem sou e o que faço. Gostaria somente de lembrar aos irmãos que a internet e a blogosfera é um instrumento que Deus colocou gratuitamente em nossas mãos. Os blogs são instrumentos poderosos para mudar o mundo, influenciar positivamente a sociedade e evangelizarmos o mundo. 

Pensemos nisso e não desperdicemos a preciosa oportunidade, posto que precisamos remir o tempo posto que os dias são maus (Ef. 5.16).

Fim.

Nota: Francisco Guedes Maia, 49 anos, casado com Regeane, têm um filho de 13 anos, Daniel e uma filha de 5 anos,Sara Monalisa. Pastor da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Professor de Teologia, trabalho com Aconselhamento Pastoral nos sites www.assembleia.org.br e www.telepaz.com.br.










domingo, 6 de abril de 2014

Pimenta malagueta ornamental



.
GERTRUDES

JOÃO CRUZUÉ

Gertrudes é o nome que eu dei a  um belíssimo pé de pimenta malagueta que existe na sala onde trabalho, no Centro de São Paulo. Eu a comprei de um comerciante japonês , em frente ao grande  Mercado Municipal. De uns dois meses para cá, Gertrudes se tornou um dos assuntos preferidos de nossa Seção. Para começar, sua cor vermelha, não é um vermelho qualquer, mas um vermelho-ferrari. Também não é um pé de pimenta comum: Gertrudes é exagerada. Nós contamos 57 pimentas. 

Eu já contei isso, mas é muito hilário contar. Convidei minha antiga Diretora para conhecer a Gertrudes, mas ela pensou que fosse uma mulher. "Escuta, como é esta Gertrudes?" E eu respondi: Ela é ardente! Aí, o mal-entendido se estabeleceu de vez. "O que está acontecendo com o João? Foi só ele mudar de diretoria que já anda colocando as manguinhas de fora... A esposa dele já sabe que ele está  arrastando a asa para esta tal de Gertrudes? E lá fui eu carregando o pé de pimenta para a sala dela, para apresentar a  "ardente" Gertrudes. Ela não me disse nada. Não sei se estava brincando ou se pensou que a Gertrudes era gente.

Fotos de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Bom, como eu imaginei, as pimentas da Gertrudes iam murchar e secar. Então tratei de mitigar um eventual risco de perda. Tracei um plano e o coloque em prática. Colhi uma entre as 57 pimentas da Gertrudes, abri a pimenta e  plantei as sementes em dois vasinhos. Achei que nasceriam no máximo umas dez pimentinhas.  Levei um susto quando vieram  umas 40 pimentinhas.  Foi aí que descobri porque esta malagueta é tão ardida. Uma "dedo de moça" que tem poucas sementes já é bem ardia, o que dizer uma que tem 40 sementinhas dentro?

Quatro mudinhas, você pode ver nos dois vasos claros, acima. Eu comprei estes lindos vasos na Rua São Caetano! Se você pensou que alí só há vestidos de noivas, já pode ver que tem muito mais. Tem duas casas enormes de produtos agrícolas, veterinários, jardinagem, ferramentas, sementes, bulbos de flores, adubos, saquinhos de polietileno para fazer mudas...etc.

Depois de ter semeado dois vasos com sementes de uma pimenta da Gertrudes, eu as tive de levar para casa.  É que pimenta gosta de sol. Sol direto, seis horas por dia. No escritório só bate sol da manhã. Aí, as plantinhas tinham de virar o "pescoço" para  tomar sol. E nós, de virá-las ao contrário, para que elas se desentortassem. Na minha casa elas  pegam sol direto. Veja as duas fotos abaixo:

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Aqui, mais abaixo, está a Gertrudes sem suas 57 pimentas. Eu fiz a colheita no dia 02 de abril 2014. Se você observar com cuidado nas três fotos a seguir, vai identificar flores e botõezinhos de pimenta malagueta. Ou malaguetona, como me disseram  quando comprei. 

Como eu sou Contador, já fiz o cálculo do custo/benefício da coisa. A colheita de 57 pimentas foi uma estratégia acertada.  Entre botões e flores brancas, se tudo correr bem e o frio não interferir vem aí uma carga de mais de 100 pimentas de uma só vez. Se por acaso isto acontecer, e eu creio que vai, a Gertrudes vai ganhar o prêmio, a Rainha das Malaguetas! Sabe o que é um pé de pimento com um palmo e meio de altura com mais de 100 pimentas vermelho-ferrari? É exagerara ou não é?

                                                                                   Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Ontem, sexta-feira, 04.4.14, eu passei de novo na Rua São Caetano para comprar mais vasos e adubos. Também voltei no japonês que vende plantas na Rua Cantareira, em frente ao Mercado Municipal, e comprei 20 vasinhos, como estes abaixo, o mesmo vaso onde estava a Gertrudes quando a comprei.  Bem não precisa dizer que eu suei a camisa de verdade, quando cheguei na seção com quatro sacolas com 26 vasos, 26 pratinhos de vaso, 3 kg de superfosfato simples,  01 kg de adubo 04.14.08 e 05 kg de terra orgânica. À noite, tive que sair depois do horário do rush, para transportar tudo isto para minha casa.

Foto de João Cruzué

Eu  sou filho de agricultor. De vez em quando voltava ao sítio para não perder a prática, mas com o tempo fui gostando mais da cidade que do campo. Há mais de quatro anos trabalho no TCE de SP. Lidar com adubos, vasos e plantas é uma forma de manter algumas poucas raízes em minhas origens. Bem, na foto de cima estão os adubos que vou colocar no fundo dos vasos. E na foto de baixo, como faço isto. No vaso da esquerda, você vê um pouco de brita. No sentido horário, terra vermelha sobre a brita e os grãos de dos adubos que você vê acima. Superfosfato no saco de 3kg e adubo de cova, 04.14.08. O terceiro vaso já está totalmente cheio, com brita, terra vermelha, grãos de adubo, e a maior parte de terra orgânica. Em cima  e bem no meio
Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Aqui, abaixo, você já pode ver os vasos cheios de terra e adubados, prontas para receber as Gertrudinhas

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Na foto seguinte, você há pode ver o fruto de um trabalho que consumiu minha manhã inteira. São 21 vasos plantados com gertrudinhas. E estava em um dilema: ou abandonava as plantinhas ou tomava uma decisão mais radical. Tomei. Mas como você pode observar,  na foto abaixo, ainda tem um vaso cheio de mudas. Isto significa que na semana que vem vou ter que plantar outros 20 vasos.

                                                                                         Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Como eu estava com a mão na máquina mesmo, tirei fotos de outras plantas. Para não ficar só com as pimentas, tirei foto da minha violeta, dos lírios vermelhos que trouxe do sítio da minha mãe, de um pequeno pé de manga de Sorocaba, um pé de babosa.


Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué

Foto de João Cruzué


Por último, uma foto do pé de manga com as gertrudinhas que ainda restam para plantar.

Foto de João Cruzué



Nota: todas as fotos foram tiradas por mim.

quarta-feira, 12 de março de 2014

VOO 370 DA MALAYSIA AIRLINES LEVAVA 154 PASSAGEIROS CHINESES




Boeing 777 da Malaysia Airlines

João Cruzué

No último sábado,  08 de março de 2014, um Boing 777 da Companhia Aérea Malaysia Airlines decolou da Malásia com destino a Pequim, transportando 227 passageiros e 12 tripulantes. Cerca de 239 pessoas estão desaparecidas. Até agora, quarta-feira, 12.03.2014,  01:46 h o destino do avião é incerto. Ainda não há informações oficiais do que teria acontecido, mas há três especulações.

1. O avião estava fora da rota por falha humana.

2. Um grupo de terroristas islâmicos chineses da etnia Uigur

3. A cabine do avião teria explodido por despressurização.

 A maioria dos passageiros, 154, era chinesa e 40 pessoas entre passageiros e tripulantes (38 + 12) eram da Malásia. Este é um dos casos raros de queda de avião em que, depois de quatro dias, ainda não se sabe o lugar da queda nem qual o seu motivo.

Não há brasileiros entre os desaparecidos, de acordo com a lista na tabela abaixo:

Tabela de João Cruzué




De João Cruzué, para o Blog Olhar Cristão




.