sábado, 30 de abril de 2011

PR. SILAS MALAFAIA LIDERA II MANIFESTO EVANGELICO EM BRASILIA

.

Você é um instrumento de cidadania


FOTO DO PROTESTO EVANGÉLICO EM 01.06.2011

PROT

Marcha da Família



Pastor Silas Malafaia

Transcrição parcial: João Cruzué

"O primeiro assunto de hoje, é um assunto muito interessante. Eu sei que vocês lembram de toda a guerra contra o projeto de Lei 122/2006, aprovado na Câmara no apagar das luzes, com meia dúzia de deputados, foi para o Senado e nós exercermos aqui um bombardeio terrível nesta lei esdrúxula, que não tem igual em lugar algum do mundo, e ela depois de muito tempo automaticamente foi para a gaveta.

E agora em 2001, a Senadora Marta Suplicy “ressuscitou” a Pl 122 no Senado com a assinatura de 27 senadores. Hoje eu não vou dar o nome de nenhum senador para não quero ser injusto, alguém pode ter assinado com pressa, e não tenha reparado no que estava assinado. Mas nós vamos ficar atentos nas votações, aí assim, neste programa, no site, em campanhas que vamos fazer, por que isto é o jogo democrático. nós estamos no Estado democrático de Direito.

Trouxeram esta lei vergonhosa, esdrúxula, que finge proteger a prática homossexual, mas na verdade quer por uma mordaça na sociedade e criminalizar os que são contra o comportamento homossexual.

Eu quero ler a Constituição Brasileira, seu guardião é o Supremo Tribunal Federal. Podem aprovar o que quiserem, mas nós vamos ao Supremo, porque ninguém vai rasgar a Constituição e o que a PL 122 quer é para rasgar a Constituição.

Assim está escrito no Artigo 5º da Constituição Brasileira:

IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.

Agora eu vou ler a PL 122.

De cara vamos acabar com está conversa: esse é o jogo mais sujo e baixo: "Todo mundo que critica a prática homossexual é homofóbico". Homofóbico, uma vírgula. Homofobia é uma doença classificada na psiquiatria como uma aversão ao homossexual, desejo de matá-lo, machucá-lo ou destruí-lo. Há uma diferença fenomenal entre criticar conduta e discriminar pessoas. Criticar conduta é uma coisa; discriminar pessoas é outra. Criticar conduta homossexual é direito garantido na Constituição. Então vão ter que rasgar a constituição... porque criticá-los - não pode!

E não é só eles não. Você pode criticar a minha crença? pode! Você pode discriminar minha teologia? pode! Você pode ir para Televisão para o Rádio, para a imprensa, para a Internet e dizer eu não aceito a crença evangélica, eu sou contra. Você é livre, é o seu pensamento.

Você pode criticar a Igreja Católica? pode. A teologia católica? pode! Espírita? pode! Partidos políticos? pode! Os políticos, o Presidente da República, Pastores, Padre, diabo, Deus? pode! Mas homossexuais não pode! Que história é esta?

Querem rasgar a Constituição? Querem acabar com o Estado democrático de Direito. Que conversa é essa que qualquer critíca a homossexuais virou homofobia?

Se eu vir alguém bater, machucar um homossexual, eu vou ser a favor do homossexual, pode me arrolar como testemunha. Agora soco em homossexual dói, e soco em heterossexual dói da mesma forma. Já existe lei para punir esses crimes. Eles querem se escorar no racismo para colocar alguma coisa para se proteger e botar uma mordaça na socieade.

Por que eu estou falando isso. Eu vou falar e vou provar mais uma vez. Os grupos mais antidemocráticas da pós-modernidade são os de defesa dos homossexuais."

Veja todo assunto no Youtube: Silas Malafaia X Centenário e PL 122



Última quarta-feira do mês de Junho. 03:00 da tarde


Protesto em Brasília contra o projeto de Lei 122/2006.


Nota: sobre a comemoração do centenário da Assembléia de Deus no Brasil, já deixei opinião escrita há

mais de um ano: Igreja Assembleia de Deus vai comemorar 200 anos





sábado, 9 de abril de 2011

Tragedia de Relaengo foi prevista na última Revista Veja

.



João Cruzué

Resolvi trazer uma análise contextualizada, três dias depois, do trágico atentado perpetrado por Wellington Menezes de Oliveira, na Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo, Zona Oeste da Cidade do Rio de Janeiro, onde assassinou 10 garotas e 02 meninos com tiros de revólver, na cabeça e no peito, e depois se suicidou.

Como este blog trabalha principalmente com reportagens e assuntos religiosos, é dentro destes limites que estou fazendo minha análise. Como repórter não tenho o direito de esconder fatos ou manipular dados para agradar este ou aquele segmento religioso. Pelo lado religioso, a verdade tem que ser dita, inclusive, porque estamos diante de do primeiro atentado desse tipo no Brasil. Não a verdade religiosa, mas a verdade dos fatos, principalmente porque ainda não está evidente o motivo dos assassinatos, embora de um modo geral atos de loucura ou de terrorismo não precisem de motivação - a não ser a busca de publicidade.

O contexto desse atentado é ambíguo e alarmante. Se por um lado parece ter sido um ato isolado de um dia de fúria de um sujeito que poderia ter muitos parafusos soltos na mente, por outro, não podemos esquecer que a Revista Veja (edição 2211 - 06.04.11) publicou uma reportagem especial - com 09 páginas (pp. 88/96) , sobre a existência de extremistas islâmicos no Brasil. Foi a principal matéria de capa, textos do repórter Leonardo Coutinho e fotos de Manoel Marques. Nesta reportagem, pg. 90, no rodapé esquerdo está: "A ESCALADA DO MAL - em duas décadas, o avanço extremista no Brasil já cumpriu quatro estágios, segundo a Polícia Federal. O próximo passo pode ser a realização de atentados."

Cinco dias depois da revista sair às bancas (sábado e domingo), dia 07 de abril de 2011, um jovem, ligado ao islã há quase dois anos, irrompe em na Escola Estadual Tasso da Silveira, em Realengo, Zona Oeste do Rio, para matar 10 meninas, dois meninos, fere mais 14 pessoas, e antes de ser morto, comete o suicídio. Pode ser coincidência? Tudo indica que sim, mas há uma pequena dúvida no entendimento das autoridades, que desconfiam que haja algo oculto e desconhecido no caso. E este componente pode estar ligado ao terrorismo internacional.

O Brasil já é grande demais no contexto global para ficar fora das mazelas internacionais, ainda mais com o novo encaminhamento da política de relações exteriores, sob orientação Presidenta Dilma que mudou o viés de aproximação com certos líderes mal-vistos pela comunidade internacional.

Pode ser que nunca fique provado que ele fosse de fato um terrorista islâmico e que nenhum veículo da grande mídia possa escrever abertamente isso. Mas eu garanto que, informalmente, no meio dos radicais islâmicos, Wellington Menezes de Oliveira já é considerado o primeiro mártir islâmico a praticar um ato de terrorismo autêntico no Brasil. E também afirmo, com 100% de certeza, que esta tragédia acendeu um alerta vermeno na cabeça das autoridades brasileiras que vão cuidar da segurança de milhares de pessoas que virão para os dois eventos de máxima envergadura esportiva mundial: A Copa do mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.


A pergunta que faço é: a publicidade do terrorismo islâmico tratata como matéria principal na Revista Veja (edição 2211) da semana passada, acionou algum tipo de gatilho entre o terrorismo islâmico no Brasil, ou foi apenas uma grande coincidência? Difícil dizer, mas sou levado pela intuição a crer na primeira hipótese.





Nota: A comunidade "árabe" e a Igreja Islâmica no Brasil, não têm nada a ver com terrorismo de extremistas islâmicos, assim como as Testemunhas de Jeová nada têm do que se envergonhar, pois nunca estiveram associados ao fomento do terrorismo em qualquer parte do mundo.




.



quinta-feira, 7 de abril de 2011

Atirador do Rio era um radical islâmico


.
Tasso
João Cruzué

07.04.2011.

Estou concluindo a matéria que comecei escrever hoje cedo. Wellington Menezes de Oliveira era um louco? um louco que passou por uma lavagem cerebral? ou um mistura das duas coisas? Considerando que hoje é o Dia do Jornalista, e os dez comentários recebidos até agora, vou tentar aprofundar o assunto e expressar minha opinião. Não sou dono da verdade, nem minha opinião vai ficar em cima do muro. Quero relacionar 10 evidências de que Wellington Menezes de Oliveira era um fanático recém-convertido ao islã há dois anos. Em um dia de fúria, ou de possessão demoníaca, ele assassinou 12 adolescentes, 10 garotoas e dois menidos; feriu outra dezena e depois se matou.


Welington Menezes de Oliveira

Antes de listar 10 evidências de que Wellington era um desaparafusado mental mesclado com lavagem cerebral de influência radical islâmica, quero deixar bem claro que a Igreja Muçulmana Brasileira não prega o extremismo, nem até hoje esteve ligada a qualquer fato destrutivo ou digno de repulsa. A presença do "turco" na cultura brasileira vem desde os tempos dos caixeiros viajantes. Tenho ainda a acrescentar que houve tio árabe em minha família. Dito isto, vamos aos fatos. Depois de relacionar 10 evidências vou concluir que o autor da tragédia da Escola Estadual Tasso da Silveira, do Bairro do Realengo, Zona Oeste da Cidade do Rio de Janeiro, era muçulmano convertido há pelo menos dois anos.


AS DEZ EVIDÊNCIAS

1ª . O jornal americano
The New York Times publicou matéria assinada pelo reporter Alexei Barrionuevo para o The New York Times: "A longtime neighbor and former member of Mr. Oliveira’s church said Mr. Oliveira had been a lifelong Jehovah’s Witness before turning to Islam two years ago. Other neighbors on the street where he grew up said he had few friends and spent many hours in front of his computer on social networking sites. In the past year, several said, he had taken to wearing black clothing. Tradução do trecho em destaque: Um antigo vizinho e membro da mesma Igreja, disse que Wellington Oliveira foi Testemunha de Jeová durante muito tempo, até se converter ao Islã - dois anos atrás."
2ª. Amiga da família de Oliveira há vários anos, a jornalista Karen Mendes, de 31 anos, confirma o perfil retraído e conta que o atirador ficou ainda mais isolado após se converter. 'Conheço o Wellington desde pequeno, sempre foi muito retraído. Ele entrou para o islamismo há um tempo, depois disso ficou ainda mais retraído. Saiu de Realengo e se isolou em Sepetiba, também na Zona Oeste.'

3ª. O atirador da escola Escola Municipal Tasso da Silveira - em Realengo, Wellington Menezes de Oliveira, segundo testemunho da irmã Rosilene Menezes:
"Ele estava muito focado em coisas relacionadas ao islamismo e tinha deixado a barba crescer muito. Ele era estranho, ficava na internet o dia inteiro lendo temas relacionados e era muito estranho, muito reservado". Fonte: Notícias Uol.



4ª. No testemunho que um dos irmãos mais velhos dele a uma reporter da TV Globo, hoje, foi mencionado que um de seus sonhos era derrubar um avião [no Cristo Redentor] igual aos que derrubaram as torres. Foi ao ar no Jornal Nacional, em torno das 21:00h. Fonte: Notícias Uol


5ª. evidência: Outro detalhe e talvez o maior indicador da influência de radicalismo islâmico na mente de Wellington é o sexo dos adolescentes mortos: foram 10 meninas e dois meninos. Ele as matou porque provavelmente odiava a forma de vestir e comportamento delas. Um garoto testemunhou dizendo que ele perguntava para as meninas se elas eram virgens.
6ª evidência: Queimou (ou alguém queimou a fogo o computador que ele tinha em sua casa em Sepetiba, provavelmente para encobrir qualquer prova de sua participação em redes de relacionamento social. A pergunta é: Ele tinha alguma coisa importante a esconder? O perfil padrão de um desses loucos anteriores, serial killers de escolas, aponta para este tipo de cuidado?


7ª. evidência: Wellington saía todo dia de manhã, voltava à tarde, tomava um refrigerante perto de casa e ninguém sabia aonde ia. Provavelmente deve ter feito algum treinamento. Ele treinava sozinho no matagal perto de casa, em Sepetiba? E o barulho dos tiros - ninguém ouvia?

8ª. A carta com instruções do sepultamento. “Os que cuidaram de meu sepultamento deverão retirar toda a minha vestimenta, me banhar, me secar e me envolver totalmente despido em um lençol branco que está neste prédio, em uma bolsa que deixei na primeira sala do primeiro andar. pós me envolverem neste lençol poderão me colocar em meu caixão" Aqui há uma nítida mistura religiosa. Ele fala de Jesus mas pede um ritual islâmico de sepultamento. E uma prova de que tanto foi cristão quanto era muçulmano. Fonte: Notícias Uol

"Os impuros não poderão me tocar sem usar luvas, somente os castos ou os que perderam suas castidades após o casamento e não se envolveram em adultério poderão me tocar sem usar luvas", diz ele em trecho no qual afirma que "nenhum impuro pode ter contato direto com um virgem sem sua permissão". Fonte: Terra.com
9ª. Deixou crescer uma longa barba, que rapou na semana em que paanejou praticar o massacre de pessoas inocentes.

10ª. Cometeu suicídio no final, para morrer como mártir. Aqui é possível uma dupla interpretação. Seguiu o padrão de outros serial killers ou esperava com o martírio ser recebido por muitas virgens no harém celestial.

Conclusão: Ele era um maluco em um dia de fúria? Não, pois seguiu um planejamento de longo prazo. Quem eram seus ídolos? eram radicais muçulmanos. Por que ele matou tanta gente? Não ha explicação plausível, vindo de uma mente perturbada. Busca de publiciade? Reação a bulling? Atentado terrorista? Na minha opinião, fico com a última probabilidade. Wellington Menezes de Oliveira não conseguiu roubar um avião para derrubar o Cristo Redendor, não conseguiu uma bomba para amarrar na cintura, mas arranjou dois revólveres e 60 balas para matar virgens para povoar um paraíso onde ele teria aquilo que não conseguiu em vida: amor!

Toda religião tem seu calcanhar de aquiles e sua ala radical. Catolicismo, Hinduísmo, Protestantismo, Budismo. Negar que não houve nenhuma influência de radicalismo islâmico na ação
de Wellington, é fechar os olhos para os fatos.

LEIA: Declaração da Igreja Muçulmana no Brasil


CARTA-TESTAMENTO NA ÍNTEGRA

Wellington Menezes de Oliveira

"Primeiramente deverão saber que os impuros não poderão me tocar sem usar luvas, somente os castos ou os que perderam suas castidades após o casamento e não se envolveram em adultério poderão me tocar sem usar luvas, ou seja, nenhum fornicador ou adultero poderá ter contato direto comigo, nem nada que seja impuro poderá tocar em meu sangue, nenhum impuro pode ter contato direto com um virgem sem sua permissão.

Os que cuidarem de 'meu sepultamento deverão retirar toda a minha vestimenta, me banhar, me secar e me envolver totalmente em um lençol branço que esta nesse prédio, em uma bolsa que deixei na primeira sala do primeiro andar, após me envolverem nesse lençol poderão me colocar em meu caixão.

Se possível, quero ser sepultado ao lado da sepultura onde minha mãe dorme, minha mãe se chama Dicéa Menezes de Oliveira e esta sepultada no cemitério Murundu.

Preciso da visita de um fiel seguidor de Deus em minha sepultura pelo menos uma vez, preciso que ele ore diante de minha sepultura pedindo o perdão de Deus pelo o que eu fiz rogando para que na sua vinda Jesus me desperte do sono da morte para a vida eterna.

Eu deixei uma casa em Sepetiba da qual nenhum famiar precisa, existem instituições pobres, financiadas por pessoas generosas que cuidam de animais abandonados.
Eu quero que esse espaço onde eu passei meus últimos meses seja doado à uma dessas instituições, pois os animais são seres muito desprezados e precisam muito mais de proteção e carinho do que os seres humanos que possuem a vantagem de poder se comunicar, trabalhar para se sustentar.

Os animais não podem pedir comida ou trabalhar para se alimentarem, por isso, os que se apropriarem de minha casa, eu peço por favor que tenham bom senso e cumpram o meu pedido, pois cumprindo o meu pedido, automaticamente estarão cumprindo a vontade dos pais.que desejavam passar esse imóvel para meu nome e todos sabem disso.

Se não cumprirem meu pedido, automaticamente estarão desrespeitando a vontade dos pais, o que prova que vocês não tem nenhuma consideração pelos, nossos pais que já dormem, eu acredito que todos vocês tenham alguma consideração pelos nossos pais.

Provem isso fazendo o que eu pedi."


Fonte: Polícia Carioca

Leia também: Análise da tragédia anunciada cinco dias antes na Revista Veja.


Nota: A comunidade "árabe" e a Igreja Islâmica no Brasil, não têm nada a ver com terrorismo de extremistas islâmicos, assim como as Testemunhas de Jeová nada têm do que se envergonhar, pois nunca estiveram associados ao fomento do terrorismo em qualquer parte do mundo.






.