quinta-feira, 31 de julho de 2008

A Igreja da China vai aos Jogos Olimpicos


Boas Notícias Cristãs da China

Photobucket
O Estádio Olímpico Ninho do Passáro

Photobucket
Amity Publicadora - joint-venture sediada em Nanjing

Photobucket
Impressoras de alta velocidade

Photobucket
Páginas e mais páginas impressas das Escrituras

Photobucket
E o precioso produto final - a Bíblia Sagrada

China Daily
tradução de João Cruzué

Atletas, oficiais, espectadores e turistas podem adquirir a Bíblia ou apenas o Novo Testamente gratuitamente durante os jogos olímpicos em agosto.

Dezenas de milhares exemplares da Bíblia, Novo Testamento e livros apenas com os quatro Evangelhos ( segundo Mateus, Marcos, Lucas e João) foram impressos para este propósito, dizem os oficiais da Sociedade Cristã da China.

As notícias de impressão das Escrituras devem encerrar os rumores divulgados penas agências estrangeiras dizendo que as autoridades chinesas não disponibilizariam a Bíblia durante os jogos.

O Reverendo Xu Xiaohong, um dirigente do Conselho Cristão da China de Shangai, responsável pela publicação, disse que 50.000 exemplares do livro que contém os quatro evangelhos já tinham sido impressos em junho. Eles estão a caminho das seis cidades que hospedam os eventos olímpicos ma pátria chinesa.

Com tem sido a prática nos jogos anteriores, os livros do Evangelho estarão disponíveis principalmente nas igrejas e na Vila Olímpica em Pequim, Quindao, Shangai, Shenyangm Tianjin e Quinhuangdao, afirmou o Reverendo Xu.

Lugares de adoração para as pessoas de outras religiões também têm sido preparados na Vila Olímpica, disse Chen Guangyuan, o presidente da Associação Islâmica da China.

A capa dos Evangelhos terá o logotipo dos Jogos Olímpicos de Beijing. Isto tem um significado especial, pois, pelo que sei, esta é a primeira vez que o logo dos jogos olímpicos será estampado em literatura religiosa, disse XU. O espírito olímpico e o espírito de viver uma vida dirigida com propósito que os cristãos crêm se unir nesta combinação.

A Amity Printing Co, com base em Nanjing, a maior editora de Bíblias do país, imprimiu os livros com o Evangelho. Seu diretor geral Li Chunnong disse que 30.000 exemplares do Novo Testamento bilíngüe em chinês-inglês estão sendo impressos para distribuição gratuita durante os Jogos.

O Conselho Cristão de Beijing acertou um novo pedido à Amity para imprimir uma nova edição de 10.000 exemplares da Bíblia bilíngüe para serem distribuídas na Vila Olímpica, disse Li.

A Amity Printing é uma joint-venture entre a Fundação Amity do país e a Sociedade Bíblica Unida Internacional.

Esta é uma grande e emocionante oportunidade. Nós somos privilegiados em ser capazes de apoiar a Igreja na China na publicação da bíblia durante os Olímpicos, disse James Catford, executivo-chefe da Sociedade Bíblica.

A Sociedade, entretanto, não tem planos para providenciar exemplares gratuitos da Bíblia em hotéis, segundo o reverendo Xu.

As Igrejas em Pequim têm sido convidadas para providenciar escalas de religiosos para dirigir os cultos e orações na Capela da Vila Olímpica, disse Liu Bainian, vice-presidente da Associação Católica Patriótica da China.

Tradução de João Cruzué para o Blog Olhar Cristão

Fonte: http://www.chinadaily.com.cn/cndy/2008-07/07/content_6822863.htm

Fotos: http://www.amitynewsservice.org/page.php?page=462&albumID=46






quarta-feira, 30 de julho de 2008

A Igreja da Guiana na contra-mão


Líderes cristãos da Guiana na contra-mão da abertura de cassinos

Anglican Church in Georgetown
Templo da Igreja Anglicana em Georgetown - Guiana

The Sunday Stabroek
Guiana - 11.mar.2007

Tradução de João Cruzué

A comunidade Cristã da Guiana insistiu para que o governo não legalizasse jogos de cassino durante a Copa Mundial De Cricket – 2007 ou em tempo algum; a fim de retardar as discussões do Projeto de Lei até depois da Copa para aprender com experiências baseadas em pesquisas.

Os líderes das igrejas também iniciaram um programa de atividades visando sensibilizar o público quanto ao perigo dos jogo em cassinos e sugeriram que uma ação legal também poderia ser uma opção.

O Projeto de Lei intitulado ‘Carta de 2006 para Prevenção (emenda) de Jogos”, que visa legalizar jogos de cassinos, tem previsão de sua primeira leitura no Parlamento hoje. Sheila Holder, membro do MP Aliança para Mudanças também apresentará uma moção no Parlamento para um estudo a ser conduzido que determine se a abertura de um cassino incrementaria o turismo ou agravaria a situação criminal na Guiana.

Em conferência de imprensa conjunta convocada por representantes do Conselho de Igrejas da Guiana (GCC), pela Associação Evangélica da Guiana (GEF) e Associação dos Ministros de Georgetown (GMF) no anexo da Biblioteca Nacional ontem, Pastor Marlon Hestick disse que a comunidade cristã que representa 57 % da população, é inabalavelmente contra à proposta do governo de autorizar pessoas ou instituições a dirigir jogos de cassino durante 2007 CWC e mesmo depois dela.

Lendo em um manifesto preparado, Hestick disse que os líderes das igrejas também estão propondo atividades econômicas alternativas de, em particular as relacionadas com o desenvolvimento do turismo pelo entretenimento cultural e manifestações artísticas, que descrevem como uma situação vencedora na indústria de turismo. Eles estão dispostos também a discutir com o governo as estratégias para o desenvolvimento social econômico do país.

Perguntado se já tinham se encontrado com o Presidente Bharrat Jagdeo para expressar suas preocupações, Hestick disse que em março de 2006 eles se tinham reunido com o Presidente na Casa do Estado, onde expressaram suas preocupações. O Presidente tinha-lhes dito então que haveria audiências públicas sobre a questão da abertura dos cassinos.

Os líderes cristãos produziram um documento preliminar intitulado ‘Considerações Legais, Morais, Sociais e Constitucionais’ chamando a atenção do Governo quanto às responsabilidades do Jogo de Cassinos na Guiana, cuja teor elucida as preocupações dos cidadãos Guianenses” e delineia “uma descida perigosa de Guiana quanto a sua governabilidade e questões constitucionais.”

Como uma democracia em amadurecimento, eles disseram, que as implicações das pesquisas não podem ser ignoradas. Eles começaram a distribuir este documento para alguns depositários de dinheiro de apostas.

Expressando a posição do GMF quanto ao Projeto de Lei, o Pastor Loris Heywood disse que à parte dos princípios morais, um número de crimes violentos engolfaram a sociedade Guyanense nos últimos três a quatro anos. A pesquisa, disse ele, mostra que o narcocrime associa-se com o jogo de cassino na lavagem de dinheiro produzindo uma violência excessiva, o uso do armamento mortal, descuido completo de uma vida santa, crime que transborda com ligações a redes internacionais além de corromper os sistemas e estruturas do governo incluindo o poder judiciário.

O Reverendo Ellsworth Williams do GEF disse que preferiria que o governo tivesse convidado a comunidade religiosa em conjunto para discutir o desenvolvimento de uma estratégia quanto a criação de empregos, como ajudar os mais pobres, e como encontrar soluções para os males do país em vez de apressar a carta de mudança ao Parlamento para legalizar o jogo de cassino.

O reverendo Alphonso Porter presidente da GCC disse que o jogo de cassino é moralmente pernicioso em princípio porque implica no mau uso do dinheiro onde não há troca de mercadorias e serviços. É um apelo ao risco onde os ganhos dos vencedores representam a perdas acumulada dos perdedores. Ele reiterou que um cassino é usado como capa que encobre muitas atividades criminais, acrescentando que o governo estaria promovendo esses males sociais no momento em que a AIDS está avançando e que as agências de execução legais têm sido incapazes de solucionar assassinatos. Ele disse ainda que isto é perturbador porque cria fardos adicionais para a sociedade.

O GCC, disse ele, não crê que o governo procuraria justificar a legislação de cassino por causa da geração de receita porque isso também pode trazer conseqüências sociais trágicas à nação.

O GCC representa: a Diocese Anglicana, a Diocese Católica Romana, a Igreja do Nazareno, Os Ministérios de Alcance Internacionais, A Igreja Metodista Episcopal Africana , a Metodista Episcopal Africana Zion, a Igreja Evangélica Luterana da Guiana, a Igreja Presbiteriana da Guiana, o Presbitério da Guiana, a Igreja Etiópica Ortodoxa, a Igreja Morávia, o Exército da Salvação, a União Congregacional da Guiana, a Igreja de Metodista da Guiana e a Igreja Batista Missionária da Guiana.

Tradução de João Cruzué para o Blog Olhar Cristão.
Texto integral em inglês

Comentário: Quando a Igreja participa ativamente dos assuntos políticos que dizem respeito ao bem estar social da nação, muitas das vezes tem sua atuação criticada pela imprensa ou pelo lobby dos que querem levar vantagem às custas das mazelas, cuja conta é a sociedade que acaba pagando. Não considero a participação da Igreja como "atraso", pois foi o próprio Senhor Jesus Cristo quem disse que se o sal perder a sua capacidade de salgar, para nada mais presta a não ser para o lixo. A Igreja deve mesmo usar bem e com bom senso as pressões políticas através de seus líderes e nunca deve se envergonhar do uso do Evangelho, o Sal verdadeiro de Cristo para que a sociedade não apodreça. Resumindo: de que vale uma Igreja omissa? João Cruzué.

cruzue@gmail.com


.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

IV Congresso Brasileiro de Publicidade e uma resposta cristã


UMA RESPOSTA CRISTÃ AO

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE PUBLICIDADE

João Cruzué

Diante de mais de 1.400 congressistas que lotaram o auditório do World Trade Center em São Paulo, o vice-presidente das organizações Globo, Sr. João Roberto Marinho, e o Presidente do Conselho de Administração do Grupo Abril, Sr. Roberto Civita, puxaram a sardinha para suas brasas, ao tecer críticas a um suposto paternalismo do estado brasileiro que procura tutelar seus cidadãos proibindo e querendo proibir ainda mais propagandas de certos produtos.

O Sr Marinho afirmou que o estado vem tutelando o cidadão como se este fosse incapaz de discernir entre o certo e o errado, lembrando que o exercício da liberdade torna as escolhas mais consistentes, alem do que não "há democracia com tutela".

Preocupados, evidentemente, com o faturamento de suas empresas, os senhores Marinho e Civita, na verdade, fizeram um discurso sob medida para os ouvidos dos publicitários presentes. De forma alguma posso crer que as nações européias e os EUA não são democráticas pelo fato de "podar" pela raiz publicidades muito menos perniciosas que as que são veiculadas no Brasil.

Com certeza, depois de ter perdido o filão da publicidade da indústria do tabaco, as empresas Abril e Globo e tantas outras estão alarmadas com a possibilidade real de perda da receita oriunda das indústrias da cerveja e similares. Não importa se milhares de pessoas vão morrer de câncer das vias respiratórias ou de acidentes de trânsito por causa da bebida - o que os publicitários querem é FATURAR.

Queremos apresentar a seguir uma resposta consciente em apoio às autoridades brasileira que nos têm surpreendido com políticas públicas dignas de louvor: por exemplo a lei "seca". E esperamos mais: o cumprimento da promessa do Ministro da Saúde, Dr. José Gomes Temporão, que fala abertamente em dar à
publicidade das bebidas alcoólicas o mesmo destino que já foi dado às de propagandas de cigarro.

"O exercício da liberdade torna as escolhas mais conscientes"
João Roberto Marinho

SERÁ?

driving drunk 3

driving drunk 5

driving drunk 1

driving drunk 4

driving drunk 2

Todas estas fotos têm uma relação entre direção e embriaguês.

Como cristão, abomino todo e qualquer faturamento de publicidade que venha direta ou indiretamente produzir a morte de qualquer cidadão. Milhares de cidadãos. Mas aprovo tudo aquilo que venha preservar e dignificar a vida. Se o exercício da liberdade torna mesmo as escolhas mais conscientes, como diz o sr. Marinho, meu bom senso de liberdade me diz que devo apoiar as políticas de "tutela" do governo e repudiar as lições de "democracia" daqueles que fazem dinheiro às custas de publicidade enganosa. Enganosa sim, pois atrás daquele espírito de "camaradagem e coleguismo" das propagandas de cervejas não é mostrado a miséria dos alcoólatras. E por causa da hipersexualização da mulher brasileira, por exemplo: via propagandas de cerveja, ela é vista como uma prostituta no exterior, principalmente na Europa, induzindo ao famigerado turismo sexual ao Brasil. Diante deste quadro, apoiamos as iniciativas do governo que foi eleito democraticamente para isso: atender à voz da maioria.


João Cruzué
cruzue@gmail.com

.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Pastor Luiz Carlos Soares da Costa - morto pela PM carioca

Foto: Fábio Motta/AE
Cemitério do Cajú - terça-feira, 15-06-2008


sepultamento do pastor Luiz Carlos (LULA) Soares da Costa

João Cruzué

Quatro Policiais militares do Rio de Janeiro mataram por engano o administrador de empresas Luiz Carlos Soares da Costa, 36 anos, gerente de suprimentos da Infoglobo, editora dos Jornais "O Globo" e "Extra" do Rio de Janeiro. Luiz Carlos Soares da Costa era o caçula de uma família paraibana de 12 irmãos, filhos da irmã Lindalva Francisca. Além da gradução em Administração, Luiz Carlos formou-se em telologia e era o Pastor da Igreja Evangélica Assembléia de Deus da Ilha do Fundão, Zona Norte do Rio. O pastor Luiz Carlos era casado com a irmã Simone Costa, eles estavam planejando o primeiro filho para breve. Cerca de 300 pessoas entre colegas de trabalho, parentes e irmãos de igreja acompanharam o sepultamento no Cemitério do Caju, ao som de hinos evangélicos e pedidos de justiça da família

O pastor Luiz voltava para casa, da academia, às 21:00h da segunda-feira, quando foi vítima de seqüestro relâmpado, na espera de um farol na Rua Leopoldo Bulhões, próximo ao um acesso à Linha Amarela. Uma viatura do 22º BPM que passava pelo local, percebendo a direção agressiva do motorista (sequestrador) de um Siena iniciou persequição. O veículo somente parou depois de levar mais de 10 tiros de fuzis. O bandido recebeu um tiro de fuzil nas costas e sua vítima, o Pastor Luiz Carlos, três tiros.

O pastor Luiz foi retirado do carro ainda com vida pelos policiais e arrastado pelas pernas no asfalto da Av. Brasil como um animal, antes de ser jogado na ambulância que seguiu para o Hospital Geral de Bonsucesso. Luiz Carlos Soares da Costa já chegou sem vida, enquanto o assaltante, um rapaz de 18 anos, sobreviveu. Os quatro policiais do 22º BPM acharam que a vítima também era um bandido. Imagens do SBT

Comentário: foi uma surpresa saber que a vítima deste caso tão rumoroso e destacado na Imprensa brasileira fosse além de um cidadão inocente, um irmão de fé. O Rio tem passado por momentos de muita dor: tráfico, drogas e muitas mortes tanto pela ação de bandidos, quanto pelas armas da PM e as mãos do Exército. Enquanto isso o "Cristo" Redentor continua enfeitando o Morro do Corcovado sempre de braços abertos...

João Cruzué
cruzue@gmail.com



O QUE A MÍDIA PUBLICOU


CORREIO DA BAHIA

"Policiais militares matam mais um inocente no Rio"


Correio da Bahia
...Parentes do administrador dizem que os funcionários do hospital onde ele foi socorrido contaram ter recebido dos PMs a orientação de não ter pressa no atendimento a Luiz Carlos e a Leal, por serem “dois bandidos”. Cerca de 300 pessoas acompanharam o enterro do administrador de empresas Muito emocionada, Simone, mulher de Luiz Carlos, foi amparada por parentes e amigos.

O administrador, que também era pastor evangélico, foi enterrado ao som de hinos religiosos e gritos por justiça. Ele foi lembrado como um rapaz trabalhador, que cresceu profissionalmente no Infoglobo, empresa em que começou como contínuo, aos 19 anos. “Ele teve de interromper o segundo grau. Mas quando começou a trabalhar na empresa, ele foi estimulado a crescer”, contou o irmão, Ednaldo Dias.

As imagens gravadas pela equipe do SBT provam que os policiais militares confundiram o administrador Luiz Carlos da Costa com um criminoso e chutaram a vítima quando ele ainda estava vivo. A primeira cena das imagens captadas pela equipe do SBT, que passava pelo local, mostram os policiais saltando do carro e andando, com armas apontadas, em direção ao veículo onde estavam Costa e o suspeito, já atingidos pelos tiros. >>continua.
--------------

O DIA TERRA

"Administrador morto era pastor evangélico"

O Dia Terra.com
Rio - O administrador de empresas Luiz Carlos Soares da Costa, de 36 anos, era pastor evangélico. Ele pertencia à Igreja Assembléia de Deus Terra da Promessa, na Avenida Vitória Régia, Cidade Universitária.

Funcionário do Parque Gráfico do jornal O Globo, Luiz Carlos morreu ao ser atingido por três tiros dentro do seu carro, em São Cristóvão, Zona Norte. Ele foi feito refém pelo assaltante Jefferson dos Santos Leal, 18 anos, que o levou no veículo. Segundo quatro policiais do 22º BPM (Maré), que perseguiam o carro desde Bonsucesso, o ladrão atirou primeiro e eles revidaram. Jefferson, que estaria armado com uma pistola, foi ferido com um disparo nas costas e preso.

Vítima saía da academia

Morador do Cachambi, Luiz Carlos havia acabado de sair de academia de ginástica em Bonsucesso e seguia para casa quando foi rendido por Jefferson, em um sinal no entrocamento da Rua Leopoldo Bulhões com Linha Amarela, por volta das 22h30.

Os policiais faziam patrulhamento no local, quando viram o rapaz entrando no Siena prata KQJ 2485/RJ, pelo lado do motorista, e obrigando a vítima a passar para o banco do carona. O administrador falava com a mulher ao telefone celular quando foi abordado e desligou subitamente.

Policiais prestam depoimento | Foto: Osvaldo Praddo / Agência O Dia
O bandido fez uma "bandalha" e seguiu para a Avenida Brasil, sendo seguido pela patamo da PM. Os policiais disseram que, mesmo dirigindo, o criminoso fez o primeiro disparo contra a viatura em frente ao Sabão Português, em Benfica. Já na esquina da Avenida Brasil com Rua Bela, em São Cristóvão, a poucos metros de um posto do BPVE, ele fez uma manobra e ficou de frente com a patamo. Nesse momento, segundo os PMs, Jefferson teria atirado novamente e só então os policiais revidaram.

Ligação da esposa

Baleado três vezes, Luiz Carlos foi socorrido por bombeiros para o Hospital Geral de Bonsucesso (HGB), onde morreu. Quando os celular dele tocou, um dos PMs atendeu e contou à esposa que ele havia sido ferido e estava internado no HGB.

O bandido foi levado para a mesma unidade, onde passou por duas cirurgias. No início da madrugada, ele foi transferido para a enfermaria, onde está sob custódia. O estado de saúde é considerado muito grave.

Armas apreendidas

Os policiais militares apresentaram na 17ª DP (São Cristóvão) uma pistola Taurus calibre 380, que teria sido apreendida com Jefferson. A delegada-adjunta Suzy Miranda apreendeu os três fuzis usados pelos quatro PMs na ação, um deles identificado como cabo Jesus. As armas serão periciadas.

Dez perfurações à bala

Carro de Luiz Carlos Soares da Costa na perícia | Foto: Uanderson Fernandes / Agência O Dia

Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli fizeram perícia no Siena prata KQJ 2485/RJ do administrador. Segundo o relatório inicial, o carro apresenta 10 perfurações à bala. Foram encontradas ainda uma cápsula de pistola 380 e um projétil de pistola calibre 40.

A patamo do 22º BPM (Maré), número 52-0874, foi levada para o batalhão e apresenta pelo menos duas perfurações na parte dianteira. Novas avaliações serão feitas.

PM alega legítima defesa

O relações públicas da Polícia Militar, coronel Rogério Leitão, concedeu uma entrevista coletiva no fim da manhã desta terça-feira. O encontro com a imprensa foi no Quartel General da Corporação, no Centro do Rio.

Segundo Rogério Leitão, a ação dos PMs de revidar os tiros disparados pelo bandido foi em legítima defesa. O coronel afirmou ainda que os PMs não fizeram disparos durante a perseguição e, sim, somente quando foram "injustamente atacados". Os quatro PMs envolvidos no caso prestaram depoimento e não estão presos.

Rogério Leitão também lamentou a morte do administrador e acrescentou que esse caso é completamente diferente do caso do menino João Roberto, 3 anos, que foi morto por engano por PMs, na noite de 6 de julho, na Tijuca, Zona Norte do Rio. >>continua

-----------------------

EM TEMPO

Secretário diz que ´faltou habilidade´

Em Tempo
José Beltrame, secretário de Segurança do Rio de Janeiro, voltou a defender a ação dos policiais em perseguição contra o carro de administrador, que morreu baleado após ser feito refém.

Depois de ver as imagens do SBT – nas quais policiais agridem e arrastam no chão o suspeito e o refém ao serem retirados do carro para serem levados ao hospital – o secretário de Segurança Pública José Mariano Beltrame disse que faltou habilidade por parte dos PMs. Mas voltou a defender a ação dos policiais no caso.

O corpo do refém, o administrador e pastor protestante Luiz Carlos Soares da Costa, foi enterrado por volta das 17 horas de ontem no cemitério do Caju, na Zona Portuária. O suposto assaltante Jeferson Santos Leal, de 18 anos, segue internado no Hospital Geral de Bonsucesso, no subúrbio.

“A retirada desses indivíduos do veículo realmente não foi a correta, não se pode tratar um ser humano daquela forma. Muito embora, sendo ainda para socorrê-los. A maneira como essas pessoas foram retiradas, aí sim, nós temos a falta de habilidade desses policiais, os quais, eu analisando essa imagem, com o comando geral da Policia Militar, nós vamos analisar a questão de puni-los ou não. Não posso antecipar uma punição simplesmente vendo as imagens sem analisar as circunstâncias onde os fatos se deram”, amenizou o secretário para a Agência Globo.
Beltrame voltou a dizer que os PMs agiram corretamente reagindo aos tiros dados pelo suspeito. Ele justificou o fato de os policiais terem alterado a cena do crime, alegando que não poderia parar o trânsito na Avenida Brasil. “Não se pode parar uma via expressa, não posso parar uma via expressa para fazer perícia. Os próprios peritos quando foram lá sentiram dificuldade em relação à luminosidade e eles decidiram fazer a perícia nesta terça-feira (15) de manhã”, afirmou Beltrame.

Maus tratos

Quanto à denúncia da família do administrador Luiz Carlos Soares da Costa de que os funcionários do hospital contaram que os policiais teriam dito que não era preciso pressa para atender os feridos porque eles eram criminosos, o secretário respondeu: “A Policia Militar já salvou muitas vidas. Muitas vidas, tanto de acidentes quanto de tiro. O que nós não vamos fazer é deixar que uma pessoa fique sofrendo dentro de um veículo e esperar que chegue uma ambulância. A polícia é recomendada a levar as pessoas e dar o pronto atendimento e isso também foi feito. Não posso fazer um julgamento precipitado com base no que as pessoas falaram”, disse o secretário.

Especialistas criticam política de segurança

A morte do administrador Luiz Carlos Soares da Costa na noite de segunda-feira em mais uma ação da PM reforçou a tese dos críticos à política de segurança pública do governo Sérgio Cabral. Sílvia Ramos, pesquisadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes, acha que enquanto os policiais tiverem a orientação de atirar primeiro e perguntar depois o número de vítimas não vai parar de crescer. “Quando a polícia matou o menino João Roberto alegando que tinha confundido o carro da mãe da criança com o de bandidos, o governador chamou os PMs de débeis mentais e o secretário de Segurança disse que foi uma ação desastrada. Com mais esta morte agora, está provado que os policiais agem de acordo com a orientação do governo. Eles cumprem ordens.”

Para Sílvia, a ação que acabou com a morte de Luiz Carlos mostra uma série de erros dos policiais. “Como pode um garoto de 18 anos dirigindo e atirando ao mesmo tempo não ter outro jeito de ser contido por quatro PMs? Como pode estes policiais acharem que não há outra alternativa que não seja descarregarem os fuzis em cima do carro? “ Para Antônio Carlos Costa, fundador da ONG Rio de Paz, a principal preocupação da PM do Rio não é em defender as vítimas. “A PM está mais empenhada em matar bandido do que em defender as pessoas. E isso é uma coisa inaceitável.”

Ana Paula Miranda, antropóloga demitida em fevereiro pelo secretário José Mariano Beltrame da coordenação do ISP (Instituto de Segurança Pública), também responsabiliza a política de segurança do governo do Estado. >>continua

........................

cruzue@gmail.com

.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Petrobras garante abastecimento


"PETROBRAS GARANTE
PRODUÇÃO E ABASTECIMENTO DO MERCADO"

Plano de contingência é acionado

Agência Petrobrás de Notícias

"A Petrobras vem a público prestar as devidas informações sobre a greve iniciada hoje, 14 de julho, restrita as suas atividades de produção na Bacia de Campos:

- Acionou seu Plano de Contingência garantindo a continuidade operacional da empresa, a segurança de suas operações e o abastecimento do mercado.

- De um total de 38 plataformas de produção na Bacia de Campos, somente duas plataformas ainda estão totalmente paralisadas. A redução total da produção ao meio dia de hoje alcançava 136 mil barris/dia (cerca de 7% da produção no Brasil), sem afetar o fornecimento de combustíveis para o consumidor.

- As plataformas de perfuração operam normalmente.

- Ainda no sábado, antes do inicio da paralisação iniciada à zero hora desta segunda-feira, o Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro concedeu liminar à Petrobras, determinando que as instalações não podem ser ocupadas, os trabalhadores em greve devem desembarcar e aqueles que desejam trabalhar devem ter acesso às instalações.

- A direção da Companhia faz questão de ressaltar mais uma vez que a mesa de negociação deve prevalecer como forma mais adequada para o bom relacionamento entre a empresa, sua força de trabalho e as entidades sindicais."

acesse: www.agenciapetrobrasdenoticias.com.br

E TENHA RELEASES, FOTOS E GRAVAÇÕES PARA RÁDIO E TV

.
Agência Cristã de Notícias
cruzue@gmail.com


quinta-feira, 10 de julho de 2008

Lucas Pereira - garoto desaparecido em Sao Carlos SP

UTILIDADE PÚBLICA - BLOG OLHAR CRISTÃO

RAQUEL ILIANO

Folha São Paulo - Ribeirão
"Sem notícias do filho, que há 18 dias desapareceu em São Carlos (SP), o engenheiro da Petrobras Antônio Carlos Ratto, 57, oferece recompensa de R$ 30 mil em troca de qualquer informação que leve a polícia a encontrar Lucas Pereira, 3.

O objetivo da recompensa, segundo ele, é incentivar as pessoas que possam estar com medo de entregar o menino. "Quem estiver com o meu menino não sabe o mal que está fazendo para mim e para a minha família. A minha vida não tem sentido sem o Lucas, por isso não vou descansar um minuto até trazê-lo de volta."

Lucas desapareceu no dia 21, quando saiu para brincar na rua com o irmão, Caio Pereira, 8, no Jardim Beatriz, periferia de São Carlos (232 km da capital paulista). Os dois meninos e a mãe, Marcelene Érika Pereira, se mudaram no começo do mês para a cidade.

As informações sobre o menino devem ser passadas para a DIG de São Carlos pelo telefone 0/xx/16/3374-1596 ou pelo Disque-Denúncia (181)."

Utilidade Pública - Blog Olhar Cristão
cruzue@gmail.com


.

terça-feira, 8 de julho de 2008

La Ley de Cultos en Chile


1.- Ya es Ley de la República

Con fecha 14 de Octubre de 1999, con el número 19.638 y bajo el encabezado "Establece normas sobre la constitución jurídica de las iglesias y organizaciones religiosas" fue publicada en el Diario Oficial de la República de Chile la llamada "Ley de Culto (ver facsímil).

Entra así en plena vigencia esta tan largamente esperada ley, tras haber sido promulgada por el Presidente de la República en el primer día del mes aniversario de la Reforma Protestante, en un acto solemne que congregó a representantes de numerosas iglesias evangélicas y de otras confesiones religiosas.

La mencionada ley reafirma las garantías constitucionales referentes a la libertad de culto y conciencia, define lo que se entiende por libertad religiosa y de culto, permite y facilita (pero no obliga) a las iglesias organizarse como personas jurídicas de derecho público, establece franquicias tributarias a su favor y da normas para su disolución con el fin de protegerlas de acciones arbitrarias de las autoridades. Además, tiene el carácter de "ley marco", es decir, que incluye a todas las iglesias y organizaciones religiosas por igual, terminando con la odiosa discriminación existente en nuestro país a favor de la Iglesia Romana.

2.- Nuestra gratitud

Junto con expresar a Dios nuestro Señor nuestra gratitud por esta bendición que Él nos ha concedido, queremos también hacer llegar nuestro reconocimiento al Sr. Senador don Mario Ríos Santander, quien se jugó entero por sacar adelante este proyecto; sin cuyo tesón hoy día no tendríamos ley.

Fueron sus largas horas de labor convenciendo y animando a sus colegas a apoyar esta ley lo que permitió sacarla finalmente adelante en la Comisión Especial del Senado y lograr que ella fuera puesta en tabla para su votación particular. Sin su esfuerzo, esta ley sería un proyecto más durmiendo en las oficinas del Congreso.

También queremos expresar el agradecimiento del pueblo evangélico hacia el diputado Sergio Elgueta B.; quien con inteligencia y altura de miras transformó el mal proyecto inicial enviado por el Ejecutivo en un proyecto viable y aceptable. Su propuesta, con algunas modificaciones menores es la que finalmente aprobó nuestro Congreso.

¡ Qué la bendición del Señor esté sobre ambos y sobra cada una de las autoridades que contribuyeron a hacer realidad este proyecto.

3.- Fue una larga espera

Después de numerosas vicisitudes (4 años en la Cámara de Diputados y 2 años en el Senado), y gracias al tesón del Senador Mario Ríos, llegó finalmente a su etapa de votación en particular por la Sala del Senado; pero a causa de la oposición de la Iglesia Romana, no llegó a ser tratado antes del término de la legislatura ordinaria de 1998. El Presidente de la República, por análogas razones, tampoco aceptó incluirlo en la convocatoria extraordinaria que siguió a continuación. Finalmente, gracias a los esfuerzos de éste y otros senadores, se llegó a una fórmula de consenso que fue aprobada durante la legislatura ordinaria de 1999 por amplia mayoría en el Senado y por unanimidad en la Cámara de Diputados.

El proyecto llevaba ya dos años entrampado en el Senado, mientras su presidencia trataba de conciliar el deseo de las iglesias evangélicas de ver consagrado en esta Ley el principio de la igualdad jurídica de todas las iglesias y organizaciones religiosas; y la oposición de la Iglesia Romana que veía amenazados sus privilegios al reconocer este principio.

Durante ese tiempo, más de una vez fuimos citados a Valparaíso para presenciar una votación que finalmente no se producía porque el proyecto era retirado de la tabla.

En septiembre de 1998, el proyecto estaba listo para ser votado en particular; pero el Presidente del Senado, Sr. Andrés Zaldívar, al no lograr convencer a las iglesias evangélicas para que aceptaran una redacción propuesta por la Iglesia Romana, que les significaba continuar siendo discriminadas, esta vez legalmente, optó por no poner en tabla la discusión particular del proyecto.

El punto conflictivo de este proyecto era su artículo 20º (ex 6º), que la Iglesia Romana no aceptaba porque consideraba que atentaba contra sus privilegios actuales, por lo que fue objeto de numerosas negociaciones sin que se llegase a un acuerdo.

Finalmente, el 6 de Julio recién pasado, el proyecto fue sometido a la consideración de la sala gracias a la intervención de los senadores señores Andrés Zaldívar, Mario Ríos, Hernán Larraín, y José A. Viera-Gallo, quienes alcanzaron una fórmula de consenso para el actual artículo 20º (anterior artículo 6º), el que junto con reconocer la personalidad jurídica de las iglesias que la tuvieran con anterioridad a la fecha de esta ley, aseguraba a su vez, la no discriminación entre las diferentes iglesias y confesiones religiosas; redacción que fue aceptada por la unanimidad de los comités del Senado, y su articulado puesto en votación.

La nueva redacción de este artículo se parece mucho a una proposición anterior del Comité de Organizaciones Evangélicas (COE), destinada a salvaguardar la igualdad de trato entre las iglesias, el que había sido rechazada por la Iglesia Romana; (ver al final de esta página la historia de este artículo); por lo que se puede afirmar que el Senado recogió la aspiración de las iglesias evangélicas por un trato igualitario ante la ley

Junto con ello, el Senado introdujo algunas modificaciones menores en algunos artículos, destinadas a mejorar técnicamente el proyecto; pero que no modifican su fondo.

Luego de esto, el articulado del proyecto fue aprobado por 38 votos a favor, dos abstenciones (senadores Andrés Chadwick y Rafael Moreno) y dos en contra (senadores Gabriel Valdés y Carmen Frei), volviendo nuevamente a la Cámara de Diputados para que esta aprobara los cambios introducidos por el Senado; lo que fue resuelto por la unanimidad de los diputados el día 15 de Julio.

Durante toda su tramitación, la mala voluntad del Ejecutivo hacia este proyecto de ley quedó en evidencia por hechos tales como que nunca se lo incluyó entre los proyectos a tratarse durante los períodos de legislatura extraordinaria (19 de Septiembre a 21 de Mayo), nunca se le otorgó calificación de urgencia y, finalmente, luego de aprobarse por amplísima mayoría en el Congreso, se esperó hasta el último minuto para cumplir con la obligación constitucional de responder a la Cámara de Diputados sobre su intención o no de vetarla.

4.- Para la historia

Los intereses de las iglesias cristianas de Chile están siendo defendidos por el Comité de Organizaciones Evangélicas (COE), organismo en el que, directa o indirectamente, están representadas todas las iglesias evangélicas de Chile y que ha dado una larga batalla por sacar adelante este proyecto, resistiendo toda clase de presiones y encerronas de parte de la jerarquía romana y de sus voceros en el Gobierno y en el Congreso. Este Comité ha fijado su posición frente al proyecto en numerosos documentos y declaraciones; de las cuales incluimos a continuación las dos más importantes porque contienen, entre otras cosas, una excelente historia de las vicisitudes que éste ha experimentado a lo largo de sus seis años de lento avance en el Congreso.

a.- Carta dirigida al Presidente del Senado, Sr. Andrés Zaldívar Larraín, con copia a todos los señores senadores:http://www.acym.cl/leyde.htm



sexta-feira, 4 de julho de 2008

Como receber o DPVAT - a indenizacão do seguro obrigatório


TELA DE ESCLARECIMENTOS

http://www.dpvatseguro.com.br/indenizacao/index.asp
Dpvat: 0800-221204

Dpvat
Atenção!
leia com cuidado este aviso.


Reportagem: João Cruzué

INFORMAÇÕES

0800-221204 - Telefone gratuito da Central de Atendimento do DPVAT.

O DPVAT é um direito que todo cidadão tem, mas ainda é pouco conhecido pela sociedade. Ele garante à vitima de acidente de trânsito, ou seu beneficiário, uma indenização de R$ 13,5 mil em caso de morte, até R$13.500,00 para invalidez permanente, e até R$ 2.700,00, por pessoa, para cobertura de despesas médicas e hospitalares. Direitos: Quem pode usar

Todas as vítimas de acidente de trânsito causado por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga, têm direito a receber o benefício, seja o motorista, o passageiro ou o pedestre, independentemente da apuração de culpa.

Para requerer a indenização não é necessário o auxílio de intermediários, basta que o interessado - o próprio acidentado ou seu beneficiário - compareça a uma das seguradoras que integram o convênio DPVAT, portando todos os documentos necessários.

O pedido de indenização é de até três anos, a contar da data do acidente. Caso o tratamento médico já esteja em andamento e a hipótese da incapacidade física ainda não tenha sido atestada pelo Instituto Medico Legal - IML -, o prazo será contado a partir da elaboração do laudo conclusivo do IML. O pagamento da indenização é liberado após 30 dias da entrega da documentação na seguradora.

Se houver mais de uma vítima em um mesmo acidente, todas serão indenizadas individualmente, para que cada uma tenha o direito de receber o valor integral individual de sua indenização ou reembolso.Veja a legislação aqui: Lei 6194/74 .


Perguntas & Respostas

Respostas de Carlos José dos Santos, diretor do departamento de sinistros da Vila Velha Corretora de Seguros à jornalista a jornalista Sophia Camargo


1. Pergunta: já fui atrás de várias empresas que acionam o DPVAT, mas elas pedem sempre porcentagens muito altas. Gostaria de saber se tem alguma maneira de eu mesmo dar entrada nestes documentos? Tenho todas as documentações mas não tenho o endereço para o envio dos mesmos.

Resposta: Não é necessário contratar nenhum tipo de intermediário para dar entrada no seguro DPVAT. Basta comparecer a qualquer uma das seguradoras que fazem parte do convênio DPVAT (lista em seguradoras - acima) com os documentos que comprovem o acidente e os danos resultantes do mesmo. Para saber qual é a documentação completa necessária para cada tipo de indenização, vá ao link documentos necessários - também acima. Entre no link e saiba como solicitar a sua indenização. Para cada tipo de acidente e conseqüência (morte, invalidez ou danos hospitalares), são necessários diferentes tipos de documentos, que você descobre informando o tipo de acidente e o dano resultante. Se a documentação estiver completa, em até 15 dias o senhor receberá o valor da indenização.

2. Pergunta: no caso de acidente de trânsito com morte, quais são os documentos necessários para dar entrada no DPVAT? No caso de o filho ter morrido sem deixar dependentes, o pai e a mãe podem receber?

Resposta: A documentação pode variar (www.dpvatseguro.com.br), mas, normalmente, são requeridos o Boletim de Ocorrência do acidente, a certidão de óbito e o certidão de auto de necropsia fornecido pelo Instituto Médico Legal, a carteira de identidade e CPF, todos do acidentado, com fotocópia frente e verso. Os beneficiários do seguro DPVAT seguem a seguinte ordem quanto ao direito de receber a indenização: em primeiro lugar, o cônjuge ou companheiro (a); na falta deste, os filhos; na falta destes, os pais ou avós e, na falta destes, por fim, os irmãos, tios ou sobrinhos da vítima. Se os pais são os únicos herdeiros, além dos documentos citados anteriormente, costuma ser necessário também apresentar, além da documentação individual de cada herdeiro, uma declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheira, e a certidão de Nascimento da vítima.

3. Pergunta: se o carro que causou o acidente que deixou uma vítima fatal estiver com seu licenciamento atrasado, o seguro DPVAT por morte será pago ou não?

Resposta: O seguro DPVAT será pago a todas as vítimas do acidente, sejam elas fatais ou não (poderão ser reembolsadas por despesas hospitalares ou invalidez) independentemente de o seguro do carro ter sido pago ou não. Somente o proprietário do veículo que não pagou o seguro obrigatório é que será impedido de receber a indenização. Se o proprietário do carro foi a pessoa que faleceu no acidente, seus beneficiários também não poderão solicitar o seguro DPVAT.

4. Pergunta: quais os direitos que eu tenho pagando o seguro obrigatório do carro caso eu me envolva em algum acidente?

Resposta: o seguro obrigatório, como o próprio nome já diz, é uma obrigação de todo proprietário de veículo automotor, seja ele uma moto, um carro, um ônibus, um caminhão. O proprietário que não paga o seguro obrigatório não está com o veículo devidamente licenciado, podendo ser multado e ter seu carro guinchado. Além disso, se o proprietário que não paga o seguro obrigatório se envolve em um acidente, ele não terá direito a indenização caso sofra danos hospitalares ou fique inválido. Se ele falecer, seus herdeiros também não poderão solicitar a indenização por morte.

5. Pergunta: quero saber se tenho o direito de receber o seguro obrigatório sendo que em 1995 sofri um acidente de carro, mas tive várias fraturas no rosto e precisei fazer plástica e reconstrução do olho direito. Ainda sofro com as conseqüências do acidente. Posso pedir o seguro ainda?

Resposta: Antes da entrada em vigor do Novo Código Civil, que passou a valer em 11.1.2003, o prazo para dar entrada no seguro era de até 20 anos. Agora, porém, passou a ser de 3 anos, a contar da data em que ocorreu o acidente. Há casos, porém, em que o prazo pode ser maior que 3 anos, o que dependerá do tempo decorrido entre a data do acidente e a data do Novo Código Civil. Para acidentes envolvendo invalidez, nos quais o acidentado esteve ou ainda está em tratamento, o prazo para prescrição levará em conta a data do laudo conclusivo do Instituto Médico Legal - IML. No seu caso, é aconselhável que o senhor consulte uma das seguradoras conveniadas do DPVAT para verificar se ainda tem direito à indenização.

6. Pergunta: gostaria de saber se os familiares do passageiro morto em transporte coletivo têm direito à indenização no seguro DPVAT.

Resposta: Sim.

7 .Pergunta: paguei o DPVAT em maio do ano passado. Segundo meus cálculos, o mesmo terá validade por um ano. Devo pagar o mesmo somente em maio?

Resposta: Não. a vigência do seguro DPVAT é a mesma do ano civil. Os carros novos estão sujeitos à aplicação de "pro-rata". Um veículo adquirido no mês de julho, por exemplo, deve pagar apenas 6/12 do prêmio, pois estará coberto durante 6 meses no seu primeiro ano de circulação. O seguro obrigatório normalmente é pago junto com o IPVA, no começo do ano.

8. Pergunta: por que as companhias de seguro se recusam a receber os pedidos de indenização do DPVAT?

Resposta: Somente as seguradoras credenciadas junto ao convênio DPVAT podem receber este seguro (veja a lista abaixo), e estas não podem se recusar a receber o pedido do seguro. Se o fizerem, terão de ter uma explicação, como a prescrição do direito de receber o seguro. Se a companhia conveniada simplesmente se recusar a atender o seguradora, deverá ser denunciada ao Convênio DPVAT (Central DPVAT 0800-221204). O endereço da Ouvidoria do Seguro DVPAT é Rua Senador Dantas, 74 / 6o andar /CEP 20031-205 - Rio de Janeiro - RJ. No site oficial do seguro DPVAT (www.dpvatseguro.com.br) também é possível enviar um e-mail de reclamação, no link Fale Conosco.

9. Pergunta: Em janeiro de 2006 eu e meu marido sofremos um acidente de carro, e eu machuquei a coluna e tive de colocar titânio para fixar a mesma. Tenho direito a receber alguma indenização do DPVAT? A operação foi paga pelo plano de saúde.

Resposta: Pelo que entendo, a senhora não teve despesas hospitalares, pois todas foram pagas pelo plano de saúde. Neste caso, não cabe indenização de despesas hospitalares. Quanto à indenização por invalidez, que deve ser a que a senhora está se referindo, ela só será paga mediante laudo do Instituto Médico Legal, informando qual o grau de invalidez, além das demais documentações necessárias. Vale lembrar que o prazo de prescrição para o pedido do seguro DPVAT é de três anos a partir da data do acidente.

Caso ainda tenha dúvidas, pode escrever para mim: cruzue@gmail.com


reportagem de joão cruzué




.............